Sérgio Velanes defendeu união e maior engajamento do empresariado na posse da ACI

diretoria-da-aci_2017Na cerimônia de posse da Associação Comercial e Empresarial de Itabuna (ACI), nesta quinta-feira, 20, o empresário Luiz Sérgio Neto Velanes assumiu a presidência da entidade no biênio (2017-2019). Diante de empresários, autoridades locais e a imprensa, o novo presidente falou da necessidade de união, capacitação e, convocou a participação do empresariado na defesa de um ambiente empreendedor.

O objetivo, segundo ele, é promover o maior envolvimento dos empresários na defesa da classe e da sociedade em geral, oferecendo a capacitação de todos os associados, em parceria como Sebrae, visando tornar os negócios mais competitivos. Segundo ele, “a falta de preparo e capacitação tem levado muitos empresários a fecharem seus negócios”.

O desenvolvimento da cidade sempre foi uma preocupação da ACI, e na gestão do ex-presidente Ronaldo Abude ganhou notoriedade a partir do maior envolvimento e a participação das entidades locais nas decisões políticas do município. “Para mim, foi o mais importante legado que pude deixar, com relação aos compromissos e a responsabilidade que temos em melhorar nossa cidade e buscar um melhor ambiente empreendedor”.

A força da entidade também foi ressaltada na fala do presidente da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado da Bahia (Faceb), Clóvis Cedraz. Segundo ele, a ACI “é uma entidade importante não só para Itabuna, mas para o contexto do Estado, porque ela enxerga os problemas e contribui para que a gente tome atitudes e acabe beneficiando a todos do Estado”.

O gerente adjunto do Sebrae na região, Michel Lima destacou a parceria estratégica com a ACI, pois acredita na força do Associativismo. Segundo ele, a ACI tem sempre uma preocupação com o processo de capacitação dos empresários. “Estamos sempre procurando promover palestras, cursos, seminários, oficinas em parceria com a ACI, com o objetivo de preparar o empresário para que ele possa enfrentar os desafios do mercado competitivo”.


Comentários