Sessão de autógrafos de Waldeny Andrade na CESE foi sucesso de público

waldeny-lanca-livro-na-cese-em-salvador-foto2-divulgacaoPor Luiz Conceição | Jonalista

Foi um sucesso a noite de lançamento do livro “Serra do Padeiro – A saga dos Tupinambás” do jornalista e escritor grapiúna Waldeny Andrade na Coordenadoria Ecumênica e de Serviços (CESE), na Graça, em Salvador.

Um seleto público compareceu à sessão de autógrafos da obra ficcional, editada pela Via Litterarum, que narra a história de três gerações de uma mesma família nascida da união de uma índia e um austríaco, que fugiu da Europa após a Primeira Guerra Mundial ao final da primeira década do século XX.

Para Waldeny Andrade a calorosa recepção do seu thriller pelo público da capital o surpreendeu, embora soubesse que ainda ecoa entre seus leitores soteropolitanos as boas histórias contidas nos seus dois primeiros livros pela mesma editora. “Vidas Cruzadas”, ambientado em Ilhéus, e lançado na 2ª Bienal do Livro em Salvador, com edição já esgotada, e A Ilha de Aramys, que narra a aventura amorosa de um casal apaixonado em uma ilha, cujos traços ainda resistem no Rio Cachoeira.

Agora as atenções se voltam para o lançamento de “Serra do Padeiro – A saga dos Tupinambás”, às 18h30min desta quarta-feira, 27, na Academia de Letras de Ilhéus, cidade onde o jornalista, ainda adolescente, deu os primeiros passos na mídia eletrônica, na Rádio Cultura de Ilhéus, no início da década de 1960. Natural de Ipiaú, Waldeny Andrade da Silva, 81 anos, é radialista e jornalista com mais de 60 anos de atuação na imprensa sul-baiana.

Nos últimos 50 anos viveu mais do que ninguém os fatos políticos, cotidianos e socioeconômico da Região Cacaueira, principalmente com o programa de notícias e comentários “Microfone Aberto”, apresentado de segunda a sexta-feira, às12h30min, na Rádio Jornal de Itabuna. Waldeny não esconde a ansiedade em ver parte do seu público na sessão de autógrafos na Academia de Letras de Ilhéus, onde mantém muitos amigos entre os integrantes os acadêmicos.

A Comunidade Ecumênica e de Serviços (CESE), na capital, é uma respeitada organização há mais de 40 anos, com atuação firme e dedicada à promoção, defesa e garantia de direitos civis. Criada por Igrejas Cristãs reúne representantes das igrejas Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, Presbiteriana Independente do Brasil, Presbiteriana Unida do Brasil, Episcopal Anglicana do Brasil, Aliança de Batistas do Brasil e da Igreja Católica Apostólica Romana – CNBB.


Ibicaraí realiza segunda fase do Projeto Libélula na rede municipal de Ensino

A prefeitura de Ibicaraí, através das secretarias municipais de Saúde e Educação, está aplicando a 2ª fase do projeto Libélula nas escolas municipais de Ibicaraí.

O projeto tem a Coordenação da Vigilância Epidemiológica e Endemias, em parceria com o Programa Saúde nas Escolas (PSE) e com o apoio da Atenção Básica, do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ), da Vigilância Sanitária, equipes das equipes de ACE e ACS e da secretária de Infraestrutura.

A segunda fase teve início em agosto, vai até o mês de outubro e, segundo a Educadora de Endemias, Anilma Lacerda, acontece nos três turnos com oficinas práticas voltadas para sensibilizar os envolvidos a favor do uso consciente dos recursos, através de ações simples individuais baseadas nos três ‘R’ da sustentabilidade: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

“Durante a oficina é produzido o caqueiro ecológico e o plantio da semente da Crotalária, planta que atrai a Libélula, um inseto predador do mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus da Dengue, Chikungunya e Zika”, informou Anilma.


O descaso da república com os municípios

Luciano_Veiga_perfilPor Luciano Veiga | luciano.veiga@hotmail.com

Desde a proclamação da Constituição Federal de 1988, o nosso país é uma República Federativa constituída por quatro ordens de pessoas políticas ou entes federados: União, Estados, Distrito Federal e Municípios – todos independentes e autônomos nos termos constitucionais.

A independência e a autonomia ficaram restritas ao escopo constitucional, com base na concepção de que é no município que vive o cidadão, onde as suas demandas e necessidades são reais – e de fato o são – pois é ali que as pessoas nascem, vivem e morrem. Os outros entes federados, União e Estado, passaram a transferir as suas responsabilidades municipalizando as políticas públicas, em especial as da Saúde, Educação, Assistência Social e Segurança dentre outras. Porém, as atribuições de execução dessas ações não receberam recursos suficientes para fazer frente à demanda.

“De cada R$ 1,00 que o cidadão paga de imposto, a União fica com R$ 0,50 centavos, o Estado com R$ 0,31, restando apenas, R$ 0,19 centavos para serem divididos entre todos os municípios do país.”

Como não bastasse uma divisão tributária perversa, os municípios assumiram programas que são subfinanciados, a exemplo do Programa “Saúde da Família”, cujo repasse mensal por parte da União é de R$ 10.695,00 por equipe básica, mas, o executivo local gasta não menos que R$ 42.500,00 mensais. Quem paga esta diferença são os municípios, com recursos próprios, que acabam comprometendo suas administrações.

Na área de Educação, a União repassa R$ 0,36 centavos por aluno/dia para a merenda escolar, enquanto que os municípios gastam em média R$ 3,50 por aluno/dia.  Vejam que em todas as áreas a relação é a mesma.

Nos últimos anos foram aprovadas Leis Federais no Congresso Nacional aumentando as despesas sem a contrapartida financeira para realizá-las. Com isso, infelizmente, nossas cidades estão empobrecidas e sem condições de atender ao anseio e às expectativas dos munícipes, especialmente os mais carentes das políticas de Estado.

Soma-se a tudo isso, o endividamento do município junto ao INSS, FGTS e outros credores, gerando precatórios que tiram os recursos das contas, dando imprevisibilidade à gestão financeira.

Imagine, o gestor que em regra não tem domínio sobre a receita, em especial aqueles dos municípios pequenos e médios, que tem dificuldade de arrecadar por intermédio de tributos próprios. A ingerência dos demais entes torna-o escravo do fazer e serviçal do receber.

“A falência municipal não está condicionada à competência da sua gestão, mas na forma como ela é tratada pelo Pacto Federativo – perverso e desleal.”

Por mais que procuramos soluções de mitigação, não sairemos deste caos sem um novo PACTO FEDERATIVO, onde fique claro o papel e a responsabilidade de cada um dos entes da federação. Isto nos auxiliará na melhoria da prestação de serviços públicos ao povo brasileiro, que clama por um Estado eficiente e efetivo na aplicação das políticas públicas. Pacto, este que só interessa aqueles que desajam que os Prefeitos e Prefeitas continue com a políticas de pires na mão.

Os municípios são fortes, viáveis e sustentáveis. São eles que alimentam os Estados e a União. Contudo, ele próprio não se alimenta e nem atende às demandas dos seus munícipes, pois é lesado, na sua base de arrecadação.

PACTO FEDERATIVO E REFORMA TRIBUTÁRIA, JÁ!

Luciano Veiga é Administrador e Especialista em Planejamento de Cidades pela UESC.


Rui autoriza construção do Centro de Canoagem em Ubaitaba

Foto Mateus Pereira_GOVBA (5) (1)O Rio de Contas faz parte da vida e do cotidiano dos moradores de Ubaitaba, no sul da Bahia. Todos os dias, moradores do município – cujo nome em tupi-guarani quer dizer ‘cidade das canoas’ -, utilizam o rio para fazer a travessia para a cidade vizinha, Aurelino Leal.

Aproveitando todo esse potencial histórico, e com o objetivo de alavancar o desenvolvimento da canoagem na região e estimular a prática esportiva entre crianças e jovens, o governador Rui Costa assinou, nesta sexta-feira (22), ordem de serviço para a construção do Centro de Treinamento para Canoagem na cidade, com recursos de R$ 1,2 milhão. O projeto, que também prevê a construção de mais dois centros de canoagem, em Ubatã e Itacaré, conta com investimento total de R$ 3 milhões.

De acordo com o governador, os equipamentos são de grande importância para a juventude e para o esporte da Bahia. “Com o centro de canoagem, iremos estimular a juventude e a prática esportiva, tendo, quem sabe, mais atletas baianos sendo medalhistas. Mas, independente das medalhas, nosso desejo é que a juventude encontre seu caminho na educação, no esporte e na cultura. Por isso, hoje também autorizamos a construção de um campo de futebol e a reforma do ginásio de esportes da cidade. Vamos continuar investindo e acreditando na juventude”, afirmou Rui Costa


Prefeitos buscam alternativas para vencer a crise financeira nos municípios

eduardo-strans-apresentou-o-cenario-de-dificuldades-e-alternativas-para-vencer-a-crise-nos-municipiosDurante o encontro para debater a crise financeira nos municípios, nesta quinta-feira, 21, na sede da Amurc, os prefeitos Sul baianos aprovaram uma carta aberta à sociedade sobre as dificuldades para atender as demandas da população e formaram uma comissão permanente para buscar alternativas de sanar as despesas. O consultor da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Eduardo Strans apresentou um cenário de queda nos repasses federais em todo o país, e propôs a revisão de contratos e o ajuste de demais despesas do Poder Público.

As dificuldades em atender as demandas da população é reflexo da má distribuição dos recursos públicos arrecadados. A carta aprovada pelos gestores, explica que de cada R$ 1,00 que o cidadão paga de imposto, a União fica com R$ 0,50, o Estado com R$ 0,31, restando apenas, R$ 0,19 centavos para serem divididos entre todos os municípios do país.

Nesse sentido, a conta não fecha, tendo em vista que todas as políticas públicas foram municipalizadas. Ou seja, foram repassadas aos municípios, todas as atribuições de execução destas políticas sem os recursos suficientes para fazer frente as demandas. Entre as alternativas, os prefeitos citaram a necessidade de se organizarem para pressionar o Congresso Nacional pela criação de um novo Pacto Federativo.

O prefeito de Itacaré e presidente da Amurc, Antônio de Anízio declarou que é um momento de construir um novo debate sobre a divisão das receitas entre a União, Estados e Municípios. Segundo ele, há uma necessidade urgente de recomposição dos repasses, a exemplo do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). “No momento que a gente esperava que os repasses iriam aumentar, sofremos uma queda de mais de 32 %, onde tem levado os prefeitos a fazerem diversas demissões nesse período”.

O prefeito de Itabuna Fernando Gomes parabenizou a iniciativa da Amurc, em discutir a atual situação de crise dos municípios, que é uma realidade em todo o país. Ele declarou ainda que, assim como os municípios menores, a cidade de Itabuna também sofre com a queda nos repasses, e tem afetado todos os setores, a exemplo da saúde. “No hospital de base, por exemplo, temos que atender todos os pacientes que chegam da região, mesmo sem condições financeiras para atendê-los”.

O prefeito de Uruçuca, Moacyr Leite declarou que o município, com menos de 25 mil habitantes, sobrevive basicamente de repasses do governo Federal, que é o FPM. A receita própria, praticamente não tem, devido a pequena quantidade de contribuinte que pagam o IPTU. “A gente não tem arrecadação própria, sobrevivemos dos repasses do Governo Federal. Por isso, precisamos rediscutir o pacto nacional”.

Em busca de uma solução

Entre outras as alternativas de vencer a crise financeira, Eduardo Strans falou sobre parcelamento da previdência, que, através da CNM conseguiu aprovar, no Congresso Nacional, e o novo Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS), que a partir de janeiro do próximo ano, vai entrar esse recurso nos municípios de todo o país. O consultou destacou ainda que os gestores podem utilizar a criatividade na contenção das despesas do município, a partir da redução de contratos e demais despesas que oneram o Poder Público.

No encontro, uma comissão permanente de municípios associados foi criada com as seguintes finalidades: Ampliar o debate político do Novo Pacto Federativo e a Reforma Tributária; Analisar todos os convênios, contratos e serviços prestados pelos municípios, de forma a criar um centro específico de custo (receita-despesa = viabilidade); Identificar os gastos dos municípios nos serviços prestados por outros entes, de responsabilidade de custeio destes;

Desenvolver Planejamento Financeiro Administrativo dos municípios, visando uma melhor gestão dos recursos; Acionar as representações dos municípios, Estadual e Federal (UPB; CNM e FNP), bem como as bancadas Federal (Deputados Federal e Senadores) do Estado da Bahia; Apresentar o Tribunal de Conta dos Municípios – TCM, solicitação de retirar do índice pessoal dos municípios os terceirizados (pessoal), já que o estado, tal índice, não conta para o índice pessoal do Estado.

 


Projeto Transformaê mobiliza estudantes para arte, esporte e inovação em Itabuna

escola cultural 3Um dia especial em mais de mil escolas estaduais da capital e do interior do estado. Nesta quinta-feira (21), o ensino formal deu lugar a 12 horas de atividades artísticas, esportivas culturais e de inovação, com a realização do ‘Transformaê – Virada Educacional Bahia’, um projeto do Governo do Estado, executado pela Secretaria de Educação. Durante todo o dia, unidades de ensino abriram as portas para a comunidade, oferecendo uma nova maneira de aprender.

“Esse é um momento importantíssimo para a educação. O Transformaê é mais do que um movimento. Ele é um elemento capaz de unificar a cultura com a educação. É a identificação do cotidiano e das habilidades. É a possibilidade de juntar o conteúdo que cada um tem. Ao mesmo tempo, tenta sacudir a escola com conhecimento que vai compor a nossa caminhada“, afirmou o secretário Walter Pinheiro.

No Colégio Luís Eduardo Magalhães abriu as portas da unidade para a família e a comunidade participarem das atividades e brincadeiras interdisciplinares na área da dança, teatro, literatura e música. “E uma excelente atividade para difusão da cultura e de integração, num processo que fortalece a escola como agente transformadora”, diz a diretora Ednailza Carvalho. O estudante do Colégio Modelo de Itabuna, Matheus Saad, 16, do 1º ano do Ensino Médio, conta participou de várias atividades e parabeniza a escola pela programação diversificada. “ A escola está cumprindo o que prometeu. Também gostei da proposta da escola de revelar talentos de forma lúdica”, declara.


UESC realiza Seminário Leitura e Escrita na Educação Infantil

uesc-frenteO projeto de extensão Fortalecimento e Articulação da Educação Infantil do Departamento de Ciências da Educação em parceria com o Fórum Baiano de Educação Infantil (FBEI – Polo Sul) e secretarias municipais de educação do Sul da Bahia promove o Seminário Leitura e Escrita na Educação Infantil: Como assim? O evento será realizado no auditório Paulo Souto, na Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), das 8h30min às 17horas, segunda-feira(25).

Segundo a Prof.ª Dr.ª Emilia Peixoto Vieira, “diante do momento de grandes desafios na educação brasileira, principalmente para a Educação Infantil. Dentre os desafios, se destaca a discussão da Leitura e da Escrita nesta etapa.” A professora entende que “o contexto exige reflexão, aprofundamento e discussões teóricas sobre o tema da leitura e da escrita na Educação Infantil, igualmente a construção de práticas pedagógicas comprometidas com a qualidade do atendimento nessa etapa da Educação Básica. Além disso, temos em debate a 3ª versão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o reflexo para formação de professores/as que atuam na Educação Infantil.”

O público alvo do Seminário são professores, gestores, coordenadores, Secretários e representantes dos municípios, conselhos municipais de educação, sindicatos, estudantes de Pedagogia. “Este Seminário pretende trazer estas reflexões e aprofundamento sobre o trabalho pedagógico com a Leitura e Escrita na Educação Infantil, bem como analisar políticas para a formação de professores/as que atuam nessa etapa,” frisa Prof.ª Dr.ª Rosenaide Pereira Ramos acrescentando que “este debate é urgente e necessário e precisa envolver, em diálogo, os gestores municipais e demais profissionais da educação”.


Buerarema inaugura Sala da Cidadania

unnamedA agricultura de Buerarema e região passam a ter mais suporte e em sua ações com a estruturação da Secretaria de agricultura e implantação da Sala da Cidadania, a segunda ativa na Bahia, onde os cidadãos poderão ter acesso às informações  e serviços ofertados pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária- Incra.

A Sala da Cidadania nomeada Maria das Graças Tourinho, que homenageia “Gracinha da Buíque”, assentada da reforma agrária e lutadora pelas causas de interesse do agricultor familiar, foi inaugurada no último dia 16 e contou com presença do superintendente do Incra/Salvador, Giuseppe Serra Seca Vieira, deputado estadual Elmar Nascimento, prefeito Vinícius Ibrann, vice Gel, o ex prefeito Orlando Filho e familiares da homenageada.


Rui visita Itacaré e Ubatã e autoriza construção do Centro de Canoagem e novos convênios

luciano-veiga_governador-rui-costa_antonio-de-anizio_30_07_17Em viagem a Itacaré, no sul da Bahia, o governador Rui Costa autoriza, neste sábado (23), às 9h, a construção do Centro de Treinamento para Canoagem, investimento de R$ 1 milhão, que irá impulsionar o desenvolvimento do esporte na região.

Durante a solenidade, que ocorre na Rua Antônio Louro, no bairro de Passagem, onde será construído o Centro, Rui também autoriza a Secretaria de Desenvolvimento Rural a celebrar convênio no âmbito do Programa Bahia Produtiva; assina Ordem de Serviço para a construção do novo Colégio Estadual; autoriza a SDR a iniciar as obras de reforma da cobertura do Centro de Abastecimento Municipal.

Ubatã

À tarde, às 14h, já em Ubatã, além de autorizar o início das obras do Centro de Treinamento para Canoagem, o governador também inaugura a pavimentação em paralelo, contenção e drenagem superficial da Rua Dois de Julho e da 1ª e 2ª Travessa Dois de Julho, no bairro Dois de Julho. O evento ocorre na Rua Landulfo Alves.


Dia Mundial sem carro nesta sexta em Ilhéus

ilheusA Semana de Mobilidade de Ilhéus adere ao Dia Mundial sem Carro e fecha a Rua Araújo Pinho, no Centro, nesta sexta (22), entre 8h e 12h, dando espaço para pedestres andarem livremente pelas vias do local e participarem do palco livre que estará instalado na praça J.J. Seabra.

Às 10h acontecerá, também na praça, uma solenidade na qual o Instituto Nossa Ilhéus (INI) entregará aos Poderes Executivo e Legislativo, o ‘Plano Ativa Ilhéus!’ – projeto técnico e interdisciplinar de desenvolvimento urbano e social elaborado pelo Instituto de Urbanismo Colaborativo (Courb) de forma participativa com a sociedade civil – e o relatório do que foi deliberado no Mini-Público, um debate realizado nos últimos dias 14 e 15 com cidadãos ilheenses sobre regulamentação de mototáxi em Ilhéus.

Na ocasião, também serão anunciadas as propostas vencedoras do concurso “VivaAcidade”, que premiará ideias inovadoras de estudantes de Arquitetura e Urbanismo para revitalização da Poligonal que compreende as Ruas Araújo Pinho e Santos Dumont.

A Semana de Mobilidade de Ilhéus teve início no ultimo dia 14 e segue até o domingo (24), quando acontecerá o bicicletaço, reunindo ciclistas que irão do Hernane Sá até a Avenida Sores Lopes a partir das 7h.

O objetivo da Semana é pensar em uma mobilidade inteligente para a cidade, promovendo atividades que estimulam a participação popular como debates, júri de cidadãos, concursos e atividades nas ruas.

A programação faz parte do projeto da União Europeia “MobCidades – Mobilidade, Orçamento e Direito à Cidade” – Fortalecimento e Organizações da Sociedade Civil para Monitoramento e Incidência na Política de Mobilidade Urbana”, coordenado pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (INESC), que busca fortalecer políticas de mobilidade urbana no Brasil. O projeto reúne 10 movimentos de diferentes cidades brasileiras, sendo o INI o único na Bahia.