Festival de Forró de Itacaré reuniu grandes nomes da música nacional

forro_itacare_iiItacaré se transformou, no último final de semana, na capital nacional do Forró com a realização do Festival de Forró 2019, um evento que já entrou para o calendário turístico da cidade e que consolidou o município como uma referência num dos ritmos mais tradicionais do Brasil.

Durante três dias de festas se apresentaram em Itacaré grandes nomes do forró nacional, a exemplo de Targino Gondim, Elba Ramalho, Estakazero, Tato do Falamansa, Fulô de mandacaru, Quinteto Sanfônico do Brasil, Marquinhos Café, Sebastian Silva, Cacau com Leite, Verlano do Flor Serena, Carlos Pita, Trio Forró Mais Eu, Aram, Nádia Maia, Rennam Mendes, Gel Barbosa, Arrastão de Forró com a Rural Elétrica, Grupo Cabrueira

A festa contou ainda com a participação dos artistas locais, a exemplo de Trio Baianado, Aram e os Bahiunos, Marcos Abaga e Reginaldo Natureza. E um dos grandes destaques do Festival de Forró 2019 foi a Rural Elétrica, que arrastou uma multidão da rua Pedro Longo (Pituba) até a orla da cidade onde aconteceram os shows. E esse ano o evento teve como tema “30 anos de saudade de Luiz Gonzaga”, onde os músicos relembraram grandes sucessos do Rei do Baião.

A realização foi da Prefeitura de Itacaré, Toca pra nós dois e com o apoio da Câmara de Vereadores, Governo da Bahia e a cerveja oficial do evento e a Skol Puro Malte. O prefeito de Itacaré, Antônio de Anízio, reafirmou que a proposta foi de fazer mais uma vez uma grande festa para os itacareenses e turistas, trazendo grandes nomes do forró a nível nacional e ao mesmo tempo valorizando os artistas da cidade. E o resultado foi a grande festa de forró, com direito a muita alegria, animação, tranquilidade e o melhor da música, com itacareenses e turistas se divertindo e curtindo o festival.


Atentados contra igrejas católicas e hotéis matam mais de 200 no Sri Lanka

Igreja de São Sebastião, atingida por explosões em Negombo, no norte de Colombo, no Sri Lanka — Foto: Chamila Karunarathne/APUma série de atentados com explosões em igrejas católicas que celebravam a Páscoa e hotéis de luxo no Sri Lanka deixou 207 mortos e mais de 450 feridos neste domingo (21), segundo as autoridades policiais.

Fontes oficiais disseram que havia ao menos 27 estrangeiros entre os mortos, entre eles três indianos, três britânicos, dois turcos e um português, além de duas pessoas que tinham cidadania dos EUA e do Reino Unido, um cidadão chinês e um holandês. Há ainda nove estrangeiros considerados desaparecidos.

Nenhum grupo reivindicou autoria das ações até o momento. Treze pessoas foram presas durante uma operação de captura dos suspeitos em Colombo, segundo a polícia. O ministro da Defesa do país, Ruwan Wijewardene, diz ainda que três policiais morreram na ação.

Foram oito atentados. Seis ocorreram na capital, Colombo, atingindo quatro hotéis, uma igreja e um complexo residencial. Outros dois ataques foram registrados em igrejas nas regiões de Katana e Batticaloa.

Os primeiros casos ocorreram de forma coordenada por volta das 8h45 (0h15, no horário de Brasília), em três hotéis de Colombo e três templos católicos que realizavam missas em celebração à Páscoa, nas três cidades atingidas.

Horas mais tarde, outras duas explosões ocorreram na capital. Uma delas, que deixou dois mortos, ocorreu em um pequeno hotel situado ao lado do zoológico de Dehiwala. A outra, em um complexo de casas em Dematagoda, na periferia de Colombo. (G1)


Aos 59 anos, Brasília vira metrópole e teme violência

brasiliaDa Agência Brasil

No dia em que Brasília completa 59 anos, a economista Jane Pias de Oliveira recorda-se da liberdade que tinha para brincar na cidade quando era menina (9 anos), nos primeiros anos da capital federal. “A gente ia para o zoológico de bicicleta. E sabe por onde a gente andava? Naquela faixa do meio do Eixão”, conta à reportagem da Agência Brasil.

Jane morava na quadra 712 sul, a sete quilômetros do Jardim Zoológico, e fazia com seus colegas da rua um passeio impensável para os dias atuais no Eixo Rodoviário, por causa do intenso tráfego a 80 km/h (velocidade autorizada).

Especial 59 anos de Brasília: família – a mãe Jane Pias de Oliveira, os filhos, Eduardo Pias de Oliveira e Luiz fernando de Oliveira, e os netos.

A economista nasceu em outubro de 1958, no antigo Hospital Juscelino Kubitschek de Oliveira, o primeiro do Distrito Federal, hoje Museu Vivo da Memória Candanga, no Núcleo Bandeirante. “Na minha certidão de nascimento está escrito ‘nascida em Brasília (futura capital federal)’. Eu nasci numa cidade que não existia ainda”, afirma.

O filho de Jane, o estatístico Carlos Eduardo de Oliveira Varanda (38 anos), também não esquece os passeios de bicicleta na infância. “Andava de bicicleta o Lago Norte inteiro [cerca de nove quilômetros de extensão] e não avisava à mãe”. Carlos Eduardo ainda lembra de subir em árvore, pescar no Lago Paranoá e até encontrar bichos, como pequenas cobras, que dividiam o cerrado com casas que habitavam o bairro, hoje praticamente todo urbanizado e construído. “Tinha vida de roça na cidade”, rememora.

Mãe e filho são da primeira e segunda gerações de brasilienses. Aquelas que usufruíram da cidade crianças e adolescentes até os anos 1980, e tiveram o privilégio de viver em um centro urbano ainda não densamente povoado, com pouco trânsito e seguro para as meninos e meninas brincarem livremente.

O pequeno Alexandre (3 anos), da terceira geração de brasilienses, neto de Jane e filho de Carlos Eduardo, jamais terá a liberdade que sua avó ou seu pai tiveram em tempos idos na capital.

“Se minha mãe deixar meu filho do mesmo jeito que me deixava, eu vou ficar preocupado”, admite Carlos Eduardo. “Era mais tranquilo. No trânsito a gente se deslocava rapidinho”, conta Jane que, além de criar Eduardo e mais dois filhos, ainda trabalhava em um banco e estudava na Universidade de Brasília (UnB).

“Nós tínhamos mais segurança para deixar os filhos brincarem na rua. Hoje temos que ir junto”, compara Jane. O veterinário Luís Fernando de Oliveira Varanda (34 anos), também filho dela, tem as mesmas preocupações que o irmão e entretém os seus dois filhos, também brasilienses, em brinquedotecas. “Não temos mais aquela liberdade”, afirma.

Leia Mais na Agência Brasil.


Salvador terá aplicativo de táxi

taxiChamar um táxi em Salvador ficará ainda mais simples: basta ter um celular com internet, realizar o download do aplicativo gratuitamente e fazer o cadastro.

O Taxi Mobi será lançado pelo prefeito ACM Neto nesta segunda-feira (22), às 10h, no Palácio Thomé de Souza.

O secretário de Mobilidade, Fábio Mota, também estará presente. De acordo com a Coordenadoria de Transportes Especiais (Cotae), pertencente à Semob, dos mais de 7,5 mil veículos utilizados como táxis na capital baiana, 2 mil já estão cadastrados no aplicativo. Além da comodidade dos usuários, a ferramenta digital irá possibilitar que a Prefeitura realize, em tempo real, a gestão da frota. Na prática, significa dizer que técnicos da Semob poderão acionar os taxistas e fazer o remanejamento de veículos, de acordo com a demanda de passageiros.

Taxistas que estejam parados, ociosos, em um determinado ponto de Salvador, serão acionados e redirecionados para um outro local em que haja usuários precisando do serviço(Politica Livre).


Nova etapa da Campanha contra a Gripe começa nesta segunda

vacina_fiocruz_-_pesquisaA Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe entra em uma nova etapa na próxima segunda-feira (22) em todo o país. A primeira fase, que teve início em 10 de abril, vacinou crianças, gestantes e puérperas. A partir da próxima segunda, o Ministério da Saúde abrirá ao restante do público-alvo.

Dessa forma, poderão receber a vacina trabalhadores da saúde, indígenas, idosos, professores de escolas públicas e privadas, pessoas com comorbidades e outras condições clínicas especiais, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, funcionários do sistema prisional e pessoas privadas de liberdade.

De acordo com o ministério, 41,8 mil postos de vacinação estão à disposição da população. Além disso, 196,5 mil profissionais estão envolvidos, bem como a utilização de 21,5 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais.

A doença

A influenza é uma doença sazonal, mais comum no inverno, que causa epidemias anuais, sendo que há anos com maior ou menor intensidade de circulação desse tipo de vírus e, consequentemente, maior ou menor número de casos e mortes.

No Brasil, devido a diferenças climáticas e geográficas, podem ocorrer diferentes intensidades de sazonalidade da influenza e em diferentes períodos nas unidades federadas. No caso específico do Amazonas, a circulação, de acordo com o ministério, segue o período sazonal da doença potencializado pelas chuvas e enchentes e consequente aglomeração de pessoas.

Até o final de março, antes do lançamento da campanha, foram registrados 255 casos de influenza em todo o país, com 55 óbitos. Até o momento, o subtipo predominante no país é influenza A H1N1, com 162 casos e 41 óbitos. O Amazonas foi o estado com mais casos registrados, com 118 casos e 33 mortes. Por isso, a campanha foi antecipada no estado. (Agência Brasil)


cartao_pascoa_tp_2019


Participação do Brasil na economia global cai ao menor nível em 38 anos

Da Folha

Dados recém-divulgados pelo FMI (Fundo Monetário Internacional) mostram que o Brasil completou, em 2018, o sétimo ano consecutivo de perda de participação na economia global.

A fatia do país na produção de bens e serviços do mundo, que era de 4,4% em 1980, chegou, entre altos e baixos, a 3,1% em 2011 e, desde então, caiu sem parar, atingindo 2,5% no ano passado, o nível mais baixo ao longo das quase quatro décadas na série histórica que mostra as trocas realizadas entre Brasil e o resto do mundo.

Os dados se referem à participação no PIB (Produto Interno Bruto) global em dólares ajustados pela paridade do poder de compra (PPC), que reflete as diferenças de custo de vida entre os países.

Por essa medida, que é mais estável, o Brasil perdeu, no ano passado, o posto de sétima maior economia do mundo, que detinha desde 2005, para a Indonésia, caindo para o oitavo lugar. No ranking feito a partir da conversão simples do PIB em dólares, que é mais volátil, a posição brasileira sempre variou bastante e, em 2018, o país voltou a recuar também da sétima para a oitava posição, ultrapassado pela Itália.

Segundo as projeções do Fundo, a tendência de perda de espaço do Brasil se manterá pelo menos até 2024, quando a parcela do país na economia global, pelas projeções realizadas na instituição, recuará para 2,3% (em PPC). Esse padrão histórico de encolhimento não é uma exclusividade brasileira. Desde 1980, quase todos os gigantes econômicos cederam espaço para a China passar, movida por suas taxas de crescimento que chegavam a dois dígitos. A exceção foi a Índia, que também se expandiu a um ritmo acelerado em todo o período.



Sebrae promove Workshop de Líder Coach em Itabuna

michel-lima-credito-sebrae-da-foto-mauricio-maronPor Viviane Cabral | Agência Sebrae

Com o objetivo de desenvolver habilidades e competências, a partir do autoconhecimento, integração de equipe e planejamento, com o foco em resultados, o Sebrae realiza o Workshop Líder Coach – Liderando para alta performance, nos próximos dias 23 e 24/04, 07 e 08/05, sempre das 8h às 18h, no auditório do hotel Tarik Fontes, em Itabuna.

As inscrições devem ser feitas na agência de atendimento do Sebrae, na Rua Paulino Vieira, 175, Edifício Lizete Mendonça, Centro.

O evento será conduzido pela consultora Edileide Castro, Mestre em Psicologia Multifocal, Psicanalista Clínica, Especialista em Docência Superior, Pedagoga, Professional e Self Coach, Líder Coach, Analista Comportamental, Analista 360, Practitioner em PNL. Ela também é autora dos livros: “Afetividade e Limites”, “Adolescência: Dois lados de uma mesma história” e “Feliz Novo Dia”.

De acordo com o gerente adjunto do Sebrae em Ilhéus, Michel Lima, o Workshop vai oferecer “técnicas e ferramentas poderosas para aumentar a performance como líder e a condução de equipes com excelência”. O investimento é de R$500 (em até quatro vezes sem juros no cartão), com direito a 4h de sessões de coaching individual ao longo da capacitação.

Mais informações pelos telefones: (73) 3613-9734 / 99974-2262 ou pelo e-mail: barbara.r.brito@ba.sebrae.com.br.


SDS informa que saque da parcela de janeiro do Bolsa família encerra em 30 de abril

prefeitura-de-ilheus-2-580x401A Prefeitura de Ilhéus, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social, está convocando os beneficiários do Programa Bolsa Família que ainda não sacaram a parcela do mês de janeiro/2019 para comparecerem à sede da secretaria até o dia 30 de abril. Caso não compareçam até esta data, o benefício retornará para o Ministério da Cidadania. São 390 pessoas nessa situação no município.

Basta o beneficiário comparecer na sede da SDS, localizada na Rua Almiro Vinhaes, nº 85, próximo ao Estádio Mário Pessoa, e apresentar o RG e número do NIS. O atendimento é das 7 às 13 horas.

Caso o titular do benefício tenha o cartão, mas não possua a senha, convém ligar para o 0800-726-0207 e, no mesmo dia, dirigir-se a um credenciado lotérico CAIXA, com documento de identidade para recadastrá-la.

Quem não tiver o cartão conta fácil nem cartão do bolsa família, deve procurar uma lotérica e fazer o cartão conta fácil com RG e CPF. Caso tenha dificuldade, procure o CRAS mais próximo da sua residência.