Governador do Estado apoia ações em Infraesturura através dos Consórcios Públicos

rui_consorcio_sul_baDurante uma reunião na última sexta-feira, 26, em Ilhéus, com o governador Rui Costa e secretários de Estado, foi apresentada a solicitação do Consórcio de Desenvolvimento Sustentável Litoral (CDS-LS) para a ampliação da patrulha mecânica, com a consequente melhorias das estradas BAs e vicinais dos municípios consorciados. O investimento soma a importância de R$ 9.346.469,37.

A iniciativa, segundo o presidente do CDS-LS, Antônio de Anízio, visa a construção de uma infraestrutura com equipamentos necessários, objetivando ampliar o raio de atuação da malha rodoviária que corta o território dos municípios consorciados que necessitam de intervenções.

O titular da Secretaria de Infraestrutura – Seinfra, Marcus Cavalcanti ressaltou a importância de fechar um contrato com o Consórcio Litoral Sul para os investimentos em infraestrutura na região. A iniciativa visa ainda a entrada do município de Ilhéus no CDS-LS, que possui uma grande extensão rural e já possui uma usina de asfalto que poderá ser compartilhada com outros municípios consorciados.

Ainda na área que abrange os dois consórcios – CDS-LS e o Consórcio Intermunicipal da Mata Atlântica – Cima, o secretário da Seinfra falou da discussão sobre as estradas vicinais de acesso aos pequenos produtores, que poderão ser regularizadas com o apoio dos consórcios tendo em vista que já possuem máquinas.

O governador Rui Costa declarou a importância dos municípios entenderem que é muito mais viável fazer serviços de forma consorciada. “Estamos fazendo um subsídio cruzado para reduzir o custo operacional do consórcio, e com isso as máquinas poderem fazer serviços nos municípios com o custo muito mais barato. Podemos fazer estradas vicinais, asfalto em estradas que os municípios considerem importante, asfalto nas áreas urbanas das cidades”.

Ainda na sua fala, o governador destacou que as ações de infraestrutura não funciona só com a participação do Estado, “é preciso o engajamento dos prefeitos. Olhem para o consórcio como uma ferramenta de gestão. Consórcio não é lugar para fazer política. É uma ferramenta que eu posso participar e utilizar dela e fazer mais coisas para o meu município com um custo menor”.


Comentários