José de Abreu se defende de episódio do restaurante em São Paulo e diz não ao golpe

: Deu no Metrópoles

José de Abreu falou, durante participação no “Domingão do Faustão”, sobre o episódio em que cuspiu em um casal em um restaurante japonês em São Paulo. Mesmo após a repercussão negativa que o ato teve na internet, o ator afirmou que foi a vítima. “Uma atitude que é feita por reação não deve ser levada em conta. A dele (o homem que o agrediu verbalmente) foi pensada, ele poderia ter evitado”, argumentou.

Durante os quase 30 minutos de entrevista, José de Abreu relatou sobre o episódio do restaurante, afirmando que não estava embriagado e que sua reação foi a de “um ser-humano normal”. O ator disse que estava ao lado da esposa quando foi agredido verbalmente. “É muito fácil você petista que rouba dinheiro do povo vir comer em um restaurante japonês. Você é um ladrão filho da puta, eles disseram”, relatou o artista.

O ator também comentou sobre o atual cenário político do Brasil criticando o PMDB. “Impeachment sem crime de responsabilidade, como disse o ministro Marco Aurélio de Mello, é golpe. Querem entregar o país ao PMDB do Rio, esse aí que derruba ciclovia”, atacou. Ele também citou Moreira Franco, que chamou de “braço direito” de Michel Temer.

Zé de Abreu também comparou a polêmica do restaurante a outros episódios de intolerância, citando o caso do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, quando foi hostilizado no Hospital Albert Einstein, e a senadora Gleisi Hoffmann, ofendida por um grupo de manifestantes no aeroporto Afonso Pena de Curitiba no inicio de abril. “É um ódio que foi incutido na cabeça das pessoas como se nós fossemos leprosos. O que precisamos saber é que a corrupção agora esta sendo combatida verdadeiramente no Brasil”.


Geraldo Simões garante mobilização contra o golpe

O ex-deputado federal e pré-candidato a prefeito de Itabuna pelo PT, Geraldo Simões, disse em sua página no Facebook que a Câmara escreveu “uma página triste na história política de nosso país”, ao admitir a abertura do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff. “Ela não cometeu crime algum”, afirma.

Para Geraldo, mais do que nunca, a luta pela legalidade e contra o golpe, deve ser travada nas ruas. “A partir de agora, a luta será travada no Senado, com o apoio das ruas. A democracia foi golpeada, mas a luta continua”, concluiu.


“Dilma não se curvará e lutará até o fim”, afirma Cardozo

cardosoO ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), José Eduardo Cardozo, disse na madrugada desta segunda-feira que o governo recebeu com “tristeza e indignação” a decisão tomada pela Câmara dos Deputados de autorizar o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, mas garantiu que a mandatária lutará até o fim por seu mandato.

O ministro foi escalado pelo governo para dar declarações depois do final da sessão na Câmara dos Deputados, mas afirmou que nesta segunda-feira a própria presidente falará com a imprensa.

De acordo com Cardozo, o governo estuda novas ações no Supremo Tribunal Federal, dessa vez para discutir “a falta de justa causa” para o impeachment, o que será decidido no “momento oportuno”. Apesar de o governo ter perdido o mandado de segurança que impetrou na semana passada, pedindo a suspensão da votação na Câmara por ver vícios no processo, o ministro afirmou que o fato de o STF ter restringido a denúncia apenas às pedaladas fiscais foi bom para o governo.

Em entrevista após a Câmara dar andamento ao processo de impedimento, Cardozo reiterou que a presidente não cometeu crimes de responsabilidade e que a tentativa de impeachment atualmente em curso é um “golpe”.

“A presidente não se abaterá e nem deixará de lutar. Ela não tem apego a cargos, mas apego a princípios. Ela dedicou sua vida à luta por certos princípios, esteve presa na ditadura e não se acovardou, não fugiu da luta e luta pela democracia. Se alguém imagina que ela vá se curvar, se engana”, disse. “Uma pessoa que luta por causas vai até o fim nessa luta para escrever na história que ela não se acovardou.”

Numa votação de durou cerca de seis horas, a Câmara aprovou por 367 votos favoráveis, 137 contra e sete abstenções a admissibilidade do processo de impeachment, que agora segue para o Senado Federal.

Cardozo afirmou que o processo no Senado é diferente da Câmara, por ser um julgamento efetivo, onde será preciso respeitar o direito de defesa, o que ele alega não ter sido feito na Câmara. “Daqui para frente todos os rigores formais de defesa precisam ser respeitados e tudo precisa ser provado”, afirmou.(Reuters)


Câmara ameaça interromper 30 anos de democracia do Brasil, diz Wagner

Agência Câmara / Agência Brasil: Do Brasil 247

O ministro Jaques Wagner, chefe de gabinete da presidente Dilma Rousseff, afirmou, em nota, que a aprovação do processo de impeachment pela Câmara dos Deputados, na noite deste domingo 17, “foi um retrocesso”. “De modo que a decisão da Câmara dos Deputados ameaça interromper 30 anos de democracia no país”.

O processo segue agora para o Senado. “Confiamos nos senadores e esperamos que seja dada maior possibilidade para que ela apresente sua defesa, e que lhe seja aplicada justiça”, acrescentou o ministro. Para Wagner, a votação deste domingo “foi uma página triste virada pelos deputados”.

Leia abaixo a íntegra de sua nota, divulgada logo após a decisão:

“Foi um retrocesso a instauração de processo de impeachment contra a Presidente da República, Dilma Rousseff, eleita por 54 milhões de votos e sem nenhum processo e crime de responsabilidade. De modo que a decisão da Câmara dos Deputados ameaça interromper 30 anos de democracia no país.

Caberá ao Senado processar e julgar a presidente Dilma, que continua no cargo até o final do julgamento. Confiamos nos senadores e esperamos que seja dada maior possibilidade para que ela apresente sua defesa, e que lhe seja aplicada justiça. Acreditamos que o Senado, que representa a federação, possa observar com mais nitidez as acusações contra a presidenta, uma vez que atingem também alguns governadores de estado.

Foi uma página triste virada pelos deputados que concordaram com argumentos frágeis e sem sustentação jurídica do relatório do deputado Jovair Arantes.

Digo que é um retrocesso porque se trata de um impeachment orquestrado por uma oposição que não aceitou a derrota nas últimas eleições, e que não deixou a presidenta governar, boicotando suas iniciativas e a retomada do desenvolvimento do país.

Os deputados fecharam os olhos às melhorias dos últimos 12 anos, aos avanços, à inclusão social, índices históricos de crescimento econômico e à redução da pobreza”.

Jaques Wagner


Golpe é ameaça às conquistas sociais, diz Dilma

No mais duro pronunciamento já feito em seu governo, a presidente Dilma Rousseff bateu duro no golpe em curso no País e mandou recados tanto para o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), como para o vice-presidente Michel Temer.

“Meu nome não está em nenhuma lista de propina”, afirmou Dilma, que disse ser vítima da “maior fraude jurídica e política da história de nossa país”.

Sobre Temer, ela fez um alerta. “Os golpistas já disseram que se conseguirem usurpar o poder será preciso pedir sacrifícios à população brasileira. Com que legitimidade?”.

Ela denunciou ainda a tentativa de entregar a força o pré-sal às empresas estrangeiras e abolir programas sociais, como o Bolsa-Família e o Minha Casa, Minha Vida. “Fora do voto, qualquer governo será a tirania. Tirania dos mais fortes, dos mais espertos, dos mais ricos, dos mais corrutos”.
Veja o vídeo:


Base parlamentar baiana na Câmara fecha acordo pró-Dilma

Rui foi à Brasília articular em favor da presidente - Foto: Adilton Venegeroles | Ag. A TARDEOs 24 deputados federais da Bahia que integram a base do governo confirmaram, nesta quinta-feira, 14, em Brasília, que vão votar em bloco contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff no próximo domingo, 17.

A unidade da bancada baiana foi declarada durante um jantar com a presença do governador Rui Costa e do ministro-chefe do gabinete pessoal da presidência da República, Jaques Wagner.

O endereço para costurar o acordo não podia ser mais emblemático: o apartamento do deputado Ronaldo Carletto, localizado na Asa Sul da Capital, cujo partido, o PP, fechou questão esta semana pelo afastamento da presidente Dilma. Mas lá, estavam todos os pepistas: Carletto, Cacá Leão, Mário Negromonte Jr. e Roberto Brito.(A tarde)


Una pode perder empreendimentos por falta de apoio da Câmara de Vereadores

una BACentenas de empregos pode deixar de ser gerados no município de Una por falta de aprovação da Câmara de Vereadores dos projetos do Executivo. Semana passada não houve Sessão, e na de ontem(05), alguns vereadores se posicionaram contra o projeto que prever entre outros coisas,  isenção de imposto para instalação da fábrica de motocicletas chinesa Yasuna.

Mesmo com a estimativa de criar 300 postos de trabalho, a presença de três mil pessoas na Sessão, e as explicações detalhadas do projeto por técnicos do governo municipal liderados pela prefeita Diane Rusciolelli (PT), cinco vereadores impediram que o projeto fosse votado. A ação demonstra falta de interesse destes parlamentares no desenvolvimento socioeconômico do município.

Nos bastidores o comentário é que os vereadores de oposição à prefeita Diane são contra o projeto apenas por questões políticas e  pessoal. E que  não são favoráveis a esse e outros projetos do Executivo apenas para atrapalhar a governo. O problema é que a atitude individualista  destes vereadores podem prejudicar  e acabar com expectativas  e sonhos  de  jovens e país de famílias,  em conseguir um emprego no município onde residem.


Prefeita de Una acompanha governador na visita a Itapé

Diane e rui Itape 02 de abrilA prefeita de Una Diane Rusciolelli (PT)acompanhou a comitiva do governador Rui Costa no sábado(02) na visita a Barragem do Rio Colônia  e a inauguração  do Distrito Integrado de Segurança Pública (Disep) do município de Itapé.

O Disep  é resultante de uma série de mecanismos desenvolvida pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Segurança Pública (SSP), com o propósito de proporcionar mais segurança e tranquilidade aos cidadãos baianos.

Além do governador, participaram da cerimônia de inauguração e das visitas  o Secretário Josias Gomes da SERIN e o Secretário de Segurança Publica Maurício Barbosa. Estiveram também os deputados Davidson Magalhães, Rosemberg Ponto, Ângela Souza e dezenas de prefeitos da Região como o presidente da AMURC e prefeito  de Ibicaraí  Lenildo Santana.

Na oportunidade a prefeita Diane parabenizou o governador pelo cumprimento dos compromissos  assumidos de apoio ao desenvolvimento do Sul da Bahia e disse está feliz ao lado de Rui Costa no Partido dos Trabalhadores.


Documentos indicam grampo ilegal e abusos de Moro na origem da Lava Jato

STF irá julgar nas próximas semanas se Moro continuará ou não julgando os crimes relacionados à Operação Lava JatoDo Uol

Nas últimas semanas, a operação Lava Jato levantou polêmica ao divulgar conversas entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a atual presidente Dilma Rousseff (PT). Os questionamentos sobre a legalidade da investigação, entretanto, surgem desde sua origem, há quase dez anos. Documentos obtidos pelo UOL apontam indícios da existência de uma prova ilegal no embrião da operação, manobras para manter a competência na 13ª Vara Federal de Curitiba, do juiz Sergio Moro, e até pressão sobre prisioneiros.

Esses fatos são alvo de uma reclamação constitucional, movida pela defesa de Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, no STF (Supremo Tribunal Federal). A ação pede que as investigações da Lava Jato que ainda não resultaram em denúncias sejam retiradas de Moro e encaminhadas aos juízos competentes, em São Paulo e no próprio STF. Para ler a íntegra do documento, clique aqui.

Como presidente do Instituto Lula, Okamatto também foi alvo da 24ª fase da operação. Ele foi ouvido pela força-tarefa para tentar esclarecer como o instituto e a LILS Palestras receberam R$ 30 milhões de empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras. Parte do dinheiro foi transferido do Instituto Lula para empresas de filhos do ex-presidente, segundo a investigação.

A reportagem ouviu nove profissionais do Direito, dentre advogados sem relação com o caso e especialistas de renome em processo penal, e a eles submeteu a reclamação constitucional e os documentos obtidos. Os juristas afirmam que a Operação Lava Jato, já há algum tempo, deveria ter sido retirada da 13ª Vara Federal de Curitiba, além de ter sido palco de abusos de legalidade.

O portal também questionou o juiz Sergio Moro sobre o assunto, mas o magistrado preferiu não se pronunciar (leia mais ao final desta reportagem).

Leia mais.


Lideranças de Ibicuí articulam para o pleito de outubro

Claudio_prefeitos_ibicuiA partir deste mês de abril começam a se afunilar os rumos partidário para quem deseja ser candidato a prefeito e a vereador. No município de Ibucuí no Sul da Bahia, diversas lideranças ligadas ao ex-prefeito Claudio Dourado já comeram debater as diretrizes para um futuro programa de governo.

Segundo informações, o grupo iniciou a traçar as estratégias políticas e a montar as propostas voltadas para o desenvolvimento socioeconômico do município. Empreendedores, lideranças políticas e líderes  comunitários vem se reunindo com freqüência e ampliando a participação de diversos segmentos da cidade.

Claudio, com três mandatos de prefeito no currículo, portador de experiência comprovada na articulação regional e com acesso fácil ao governador Rui Costa, tem sido ouvido pelas lideranças e buscado discutir com a oposição o melhor caminho. Um dos objetivos é definir dentro do grupo, e através das sinalizações do povo, o melhor nome que atenda os anseios da população para ser o candidato a prefeito.