Fórum das Águas apresentou ações para a sustentabilidade da Bacia do Rio Cachoeira

Foruem Agua setembroCom a grande participação de entidades e representantes da sociedade civil, o 3º Fórum Permanente das Águas reuniu propostas sustentáveis com o objetivo de integrar as ações em torno da revitalização da Bacia do Rio Cachoeira. O encontro contou ainda com candidatos a prefeito e vice-prefeito de Itabuna que firmaram o compromisso quanto a gestão sustentável da água no município.

A coordenadora do Centro das Águas e Mestre em Gestão Ambiental, Maria Luzia de Melo, destacou o apoio e participação dos parceiros na construção do evento. “Saio desse Fórum na certeza de que plantamos uma semente. Temos bons projetos, como o da revitalização do Rio Água Branca, que já está sendo realizado pela Uesc”.

Para o Pró-Reitor de Extensão da Uesc, professor Alessandro Santana, “cabe à universidade a tarefa de contribuir com o desenvolvimento sustentável e socioeconômico de toda a região inserida na bacia do Rio Cachoeira”. Nesse contexto, ele citou o andamento do projeto de revitalização do Rio Água Branca, um dos afluentes do Cachoeira, e que já teve seu diagnóstico concluído, e está na fase de aquisição de recursos.

Segundo o professor e diretor do Departamento de Ciências Agrárias, Maurício Moreau, as ações do projeto visam a educação ambiental (em escolas e associações), limpeza do canal principal, identificação das propriedades na área rural, recuperação da mata ciliar, recuperação das nascentes e monitoramento de qualidade da água.

O presidente da Amurc e prefeito de Ibicaraí, Lenildo Santana parabenizou a iniciativa do evento, feito “em parceria com as entidades tem buscado soluções para a questão hídrica”. Ele ainda citou a criação do Comitê de Produtores de Água do Sul da Bahia, coordenado pelo secretário executivo da Amurc, Luciano Veiga.

O projeto Produtor de Água é uma iniciativa desenvolvida a partir da experiência da Organização de Conservação da Terra (OCT), em Ibirapitanga. “A ideia central é incentivar os produtores rurais a adotarem boas práticas de proteção e conservação da água e do solo, em contrapartida de incentivos financeiros, não financeiros e assistência técnica gratuita”, explicou Luciano, que também é coordenador do Comitê de Bacias do Leste.

Compromisso

No segundo momento do Fórum das Águas, os candidatos Antônio Mangabeira (PDT), Coronel Santana (PTN), Davidson Magalhães (PCdoB), Fernando Gomes (DEM), Geraldo Simões (PT) e o candidato a vice João Otávio Macedo (PSDB), apresentaram as propostas para a gestão sustentável da água em Itabuna.

Em seguida, os prefeituráveis assinaram a Carta Compromisso do Fórum das Águas se comprometendo em: produzir o Plano de Execução do Plano de Saneamento Básico do Município; participar do Comitê dos Produtores de Água do Sul da Bahia; promover Educação Ambiental e as Práticas Sustentáveis; atualizar e divulgar as ações e indicadores ao final de cada ano da gestão e divulgar um relatório de prestação de contas.


Fórum das Águas vai apresentar ações sustentáveis

amuPor Viviane Cabral

A revitalização do rio Água Branca, um dos principais afluentes do rio Cachoeira em Itabuna, é uma das ações importantes a ser apresentada na 3ª edição do Fórum Permanente das Águas, próxima quinta-feira, 1º de setembro, a partir das 8 horas, no auditório do Hotel Tarik. O encontro repercutirá atividades que são desenvolvidas ao longo do ano, pelo Centro das Águas, em parceria com instituições públicas, privadas e não governamentais, empresários e educadores.

A revitalização é coordenada pela Universidade Estadual de Santa Cruz, por intermédio do Pró-reitor de Extensão, professor Alessandro Santana e do diretor do Departamento de Ciências Agrárias, professor Mauricio Maureau, em parceria com o Centro das Águas. Na programação do 3º Fórum, Maureau exibirá as etapas do projeto, que já conta com o planejamento e o georreferenciamento do rio Água Branca, nas localidades dos bairros, Antique, São Roque e Fátima.

A iniciativa tem ainda a parceria da Secretária de Educação de Itabuna, professora Dinalva Melo, com o trabalho de mobilização social, no qual a comunidade escolar e da Associação de Moradores dessas localidades estão sendo inseridos no projeto com atividades de Educação Ambiental e Práticas Sustentáveis.

De acordo com a coordenadora do Centro das Águas, Mestre em Gestão Ambiental Maria Luzia de Mello, “o envolvimento de todos os setores da sociedade tem gerado resultados concretos, importantíssimos, para a transformação do ambiente em que vive essas comunidades. Além do reflorestamento das nascentes, estaremos promovendo ações de melhoria da qualidade de vida dessas pessoas”, declarou.

Dentre outras ações sustentáveis em desenvolvimento, o Projeto Produtor de Água será tema central da Mesa redonda no Fórum das Águas. Nesse quesito, o diretor da Organização de Conservação da Terra (OCT), Volney Fernandes abordará a temática como “Uma estratégia de desenvolvimento conservacionista”.

Ainda no painel, o presidente do Instituto Água Boa, Jorge Veloso falará sobre as “Nascentes do Almada”. Em seguida, o professor Doutor da Uesc / Ceplac, Dan Lobão, apresentará o projeto Pau D’ Água e o coordenador executivo da Amurc, Luciano Veiga encerra, com a apresentação do Comitê de Produtores de Água do Sul da Bahia.

Comprometimento

LEGENDA Reunião no Centro das Águas com Elias Veloso representando o presidente do Rotary Clube de Itabuna Ataul Andrade o Coordenador Executivo da Amurc Luciano Veiga e a Presidente da Alita Sonia MaronNo período da tarde, será realizado um painel com os candidatos a prefeito de Itabuna, no qual eles irão apresentar ao Fórum das Águas, uma proposta para a Gestão Sustentável dos Recursos Hídricos na cidade. Após a explanação, os prefeituráveis irão assinar uma Carta Compromisso, no qual eles se comprometem a desenvolver as ações contidas na proposta.

O Fórum Permanente das Águas é formado pelo Centro das Águas, Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), Rotary Clube Itabuna Sul, E10 Comunicação, Jornal Agora, Diário Bahia, Posterlândia, Amurc, Sindincom, Alita, OAB Itabuna, Ceplac, Prefeitura de Itabuna, Emasa, Embasa, Loja Maçônica Aerópago Itabunense, Unime – Itabuna, Lions Clube Sul, Colégio Sistema, Associação Comercial e Empresarial de Itabuna (ACI), Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL de Itabuna), Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB).


Consórcio Litoral Sul presidirá o Comitê de Bacias do Leste

Anderson Alves, Luciano Veiga e Daniel Albuquerque
Anderson Alves(vice), Luciano Veiga(presidente) e Daniel Albuquerque(secretário) forma a  nova diretoria

A renovação dos membros do Comitê é um momento estratégico para a gestão participativa das águas na Bahia, pois garante assento dos representantes da Sociedade Civil, Usuários e Poder Público. Juntamente com Luciano, foram eleitos o vice-presidente, Anderson Alves Santos e, como secretário, o empresário Daniel Albuquerque, representando a sociedade civil.

Dentre as atribuições, o órgão é responsável por acompanhar o processo de implementação, elaboração e aprovação do Plano de Bacia Hidrográfica; sugerir providências necessárias ao cumprimento de metas; arbitrar, em primeira instância administrativa, conflitos relacionados com o uso da água e propor ações ao Conselho Estadual de Recursos Hídricos – CONERH.

Lenildo Santana destacou a importância da união para mudar o quadro de crise hídrica na região
Lenildo Santana destacou a importância da união para mudar o quadro de crise hídrica na região

Estas ações são encaminhadas ao Governo do Estado, responsável por planejar e direcionar a política pública de recursos hídricos. Nesse contexto, o secretário de Meio Ambiente destacou a importância “de consolidação dos Planos de Bacia para realizar uma efetiva gestão dos recursos hídricos”. Ainda segundo Splenger, o Estado estará oferecendo cursos de formação para membros do comitê, com o objetivo de aumentar o conhecimento para a tomada de decisões.

Durante a sua fala, o presidente eleito revelou que estará acompanhando os projetos e propostas do Estado inerentes a Bacia Hidrográfica do Leste, para que sejam apresentadas as políticas públicas à sociedade. Luciano disse ainda que estará realizando reuniões itinerantes com a sociedade para captar as demandas das micro-bacias e elaborar um Plano de Trabalho. “Acreditamos na vontade das pessoas e na competência das instituições que compõem o comitê para desenvolver as melhorias no setor”, declarou Luciano.

A partir da mobilização da sociedade civil organizada, o presidente da Amurc, Lenildo Santana acredita que é possível avançar no convencimento dos membros da sociedade sobre a importância do meio ambiente, assim como outras áreas da sociedade. “Se unirmos forças aos desprendimentos das pessoas e a força do Estado, acredito que possamos mudar esse quadro de crise hídrica”, revelou Lenildo.

 


Amurc participou de Audiência Pública sobre a crise hídrica

Audiência Pública na Uesc_galo_11_07_2016Na Audiência Pública da Frente Parlamentar Ambientalista da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia, coordenada pelo deputado estadual Marcelino Galo, o prefeito de Ibicaraí e presidente da Amurc, Lenildo Santana destacou a importância das ações para o enfrentamento da crise hídrica na região. O encontro foi realizado nesta segunda-feira, 11, na Uesc, com a participação de representantes dos municípios, órgãos do Estado e a sociedade civil.

Nos últimos meses, a população de Itabuna e cidades circunvizinhas têm sido beneficiadas com abastecimento de água, através de carros pipa, perfuração de poços, instalação de reservatórios de água em locais estratégicos. Junto a isso, seguem as próximas etapas das obras da barragem do Rio Colônia, como uma das alternativas para solucionar os problemas enfrentados pela população itabunense.

Audiência Pública na Uesc 2 JOSIVALDO DIAS (1)“A região passa por uma crise sem precedentes em decorrência de problemas estruturais e ambientais. A falta de chuvas agrava em muito a problemática. Mas vamos enfrentar a situação de forma a minimizar os impactos desta grave crise hídrica”, disse o secretário de Infraestrutura Hídrica e Saneamento Cássio Peixoto, ressaltando que os índices pluviométricos na região diminuíram um terço, menores de 2007 a 2016.

Paralelo as ações desenvolvidas pela do Estado, Lenildo destacou que instituições e entidades regionais formaram o Comitê Produtores de Água do Sul da Bahia, e já estão trabalhando com o objetivo de incentivar os produtores rurais a adotarem boas práticas de proteção e conservação da água e do solo, em contrapartida de incentivos financeiros, não financeiros e assistência técnica gratuita.

Durante a apresentação do projeto, o coordenador executivo da Amurc, Luciano Veiga explicou que são atividades de recuperação de matas ciliares, recuperação de nascentes, Pagamento por Serviço Ambiental e sistema agroflorestal. “É um olhar diferenciado para a micro bacia, no sentido de oferecer a ela toda a recuperação de mananciais hídricos que foram perdidos ao longo do tempo”.

O trabalho de mitigação do impacto ambiental na região foi também uma proposta apresentada pelo pesquisador da Ceplac e professor da Uesc e FTC, Dan Lobão, por meio do projeto Pau D’ Água, que está relacionado a um sistema mais sustentável. “Não dá para fazer meio ambiental ou ecologia de forma separada da agricultura ou do homem do campo. Então, a ideia é mostrar que é possível uma agricultura capaz de ter uma boa relação com os recursos naturais, o solo e a água”.


Seminário abordou gestão e sistema ambiental nos municípios

LuciusCom o objetivo de orientar a sociedade civil e os profissionais da gestão pública municipal sobre o programa de Gestão Ambiental Compartilhada (GAC) e o Sistema Municipal de Meio Ambiente (SISMUMA), técnicos do Consórcio de Desenvolvimento Sustentável – Litoral Sul realizaram um seminário nesta terça-feira, 7, no município de Ubaitaba.

De acordo com o Engenheiro Agrônomo do CDS-LS, Lucius Flavius Ourives, o encontro reuniu representantes da Ceplac, do Conselho de Meio Ambiente do município, produtores da Agricultura Familiar, assistentes sociais, engenheiros ambientais e da sociedade civil local. Participou também da atividade a  técnica do CDS-LS Tauá Fontes Lima de Lucena.

tauaO seminário abordou sobre informações referentes a licenciamento ambiental, prevista na Lei Complementar 140/2009, que trata sobre a competência delegada ao município. “Qualquer atividade ou empreendimento que cause risco ou danos ambientais, tornam-se passíveis de licenciamento”, afirmou Lucius.

Ainda durante o seminário, o secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Itajuípe, Marcos Paulo Vasconcelos apresentou o Projeto Produtor de Água, que está em discussão para ser desenvolvido na região Sul da Bahia.


Lama vista em Abrolhos no Extremo Sul da Bahia pode ser da barragem de Mariana, diz Ibama

Os presidentes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Marilene Ramos, e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Claudio Maretti, informaram ontem (7), em entrevista coletiva, que estão monitorando uma mancha no oceano que chegou à região sul da Bahia e já atingiu o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, local com maior biodiversidade de corais do Atlântico.

De acordo com a presidenta do Ibama, a mancha está sendo associada à lama de rejeitos de mineração da Samarco, que está concentrada na foz do Rio Doce. A mancha vinha se espraiando no último mês para o sul do litoral do Espírito Santo, mas, nos últimos dois dias, devido às fortes chuvas na área, passou a se espalhar também na direção norte do estado.

“O sobrevoo da região por especialistas leva a crer que a origem dela [mancha] é a lama de rejeitos da Samarco e, por isso, já notificamos a empresa [Samarco] para realizar coletas e avaliar se é de fato a lama despejada no Rio Doce”, disse Marilene Ramos.(Tribuna da Bahia)


Parceria visa fomentar o desenvolvimento sustentável da região

Coordenador da Amurc, Luciano Veiga, Prefeita de Barro Preto, Jaqueline Mota e Rosa Penzza, coordenadora do FórumA Associação dos Municípios do Sul, Extremo Sul e Sudoeste Baiano – Amurc firmou uma parceria com o Fórum de Diálogo da Região do Cacau para debater e pleitear ações que envolvem o Patrimônio Cultural, Ambiental e outras demandas sociais, em conjunto com as variadas instituições locais.

O Fórum do Diálogo do Cacau é uma Governança Corporativa que dialoga com instituições públicas e privadas, e de acordo com a coordenadora Rosa Penzza, ganhou uma nova vertente com ações de fomento ao patrimônio cultural e ambiental da região do cacau. Em parceria com a Amurc, o Fórum estará promovendo a restauração histórica da fazenda Mundo Novo, em Barro Preto.

“A ideia, junto com a Amurc é fomentar o município Barro Preto como destino de turismo. A ação pontual será com o artista plástico francês, Pascal Rochette, que entre os dias 12 e 19 de janeiro estará na região para pintar a Mata Cabruca e restaurar a primeira fazenda na região, como parte do projeto piloto do Programa de Turismo em fazendas de cacau”, destacou Rosa.

Além de promover o resgate histórico e cultural, a parceria visa ainda fomentar o diálogo entre as instituições na região, visando a construção de vetores para o desenvolvimento regional sustentável. “A parceria chega a um momento muito pertinente entre o município e a iniciativa privada, pois precisamos construir um olhar em conjunto para conseguir concretizar as ações”, declarou o coordenador executivo da Amurc, Luciano Veiga.

O Fórum possui um protocolo de Desenvolvimento Econômico Sustentável assinado por instituições, como: Casa Civil do Estado, Procuradoria Geral da Justiça, Ministério Público, OAB, empresários, Secretária de Turismo do Estado, Veracel e Suzano Celulose.


Dia Mundial do Meio Ambiente

Em 1972, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, em Estocolmo, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o Dia Mundial do Meio Ambiente, que passou a ser comemorado todo dia 05 de junho.

Essa data, que foi escolhida para coincidir com a data de realização dessa conferência, tem como objetivo principal chamar a atenção de todas as esferas da população para os problemas ambientais e para a importância da preservação dos recursos naturais, que até então eram considerados, por muitos, inesgotáveis.

Nessa Conferência, que ficou conhecida como Conferência de Estocolmo, iniciou-se uma mudança no modo de ver e tratar as questões ambientais ao redor do mundo, além de serem estabelecidos princípios para orientar a política ambiental em todo o planeta. Apesar do grande avanço que a Conferência representou, não podemos afirmar, no entanto, que todos os problemas foram resolvidos a partir daí.

Atualmente existe uma grande preocupação em torno do meio ambiente e dos impactos negativos da ação do homem sobre ele. A destruição constante de habitat e a poluição de grandes áreas, por exemplo, são alguns dos pontos que exercem maior influência na sobrevivência de diversas espécies.(Brasil Escola)