Entidades comemoram ações no Dia Mundial da Água na Amurc

cafe-da-manha-com-representantes-da-centro-das-aguasNo Dia Mundial da Água, celebrado nesta quarta-feira, 22, representantes da Associação dos Municípios da Região Cacaueira – Amurc e do Centro das Águas estiveram reunidos em um café da manhã, para comemorar as ações do setor na região. No encontro foi anunciada a proposta de recuperação da Bacia do Rio Cachoeira e a aprovação pela Secretaria Ciência, Tecnologia e Informação do Estado para a criação do Observatório da Bacia Hidrográfica do Leste.

De acordo com a coordenadora do Centro das Águas, Maria Luzia de Melo, a proposta de recuperação da Bacia do Rio Cachoeira está sendo articulada pelo Pró-reitor de Extensão da Uesc, Alessandro Fernandes e o diretor do Departamento de Ciências Agrárias da Uesc, Mauricio Moreau. As ações do projeto visam a educação ambiental, limpeza de canal, recuperação de mata ciliar, das nascentes e monitoramento de qualidade da água.

Outra boa notícia foi a aprovação do projeto para a criação do Observatório da Bacia Hidrográfica do Leste, que tem como objetivo formar um banco de dados em uma plataforma na Web e tornar acessíveis os planos de Saneamento Básico dos municípios, diagnósticos e projetos diversos. A partir daí, “irá facilitar a elaboração de programas e projetos importantes para a região, levando como princípios a conservação da biodiversidade e o desenvolvimento sustentável”, destacou Luciano.

O presidente da Amurc e prefeito de Itacaré, Antônio de Anísio parabenizou os representantes das entidades presentes, em estar apoiando as ações em prol da revitalização da Bacia do Rio Cachoeira, pois entende que a água é um recurso natural e que precisa ser preservado. “Água é vida e devemos preservar. Por isso, esses projetos são importantes para dar perenidade a esse recurso”.

O Centro das Águas é formado por representantes da Amurc, Rotary, Lions, Maçonaria, OAB, Sindicom, Emasa, Embasa, TV Santa Cruz, Loja Maçônica Aerópago, Colégio Sistema, CDL de Itabuna, Prefeitura de Itabuna, bem como os diversos segmentos da sociedade civil organizada, Universidade Federal do Sul da Bahia – UFSB e a Universidade Estadual de Santa Cruz – Uesc.

 


Itacaré discute projetos de melhorias do serviço público e gestão ambiental

itac gestãoO prefeito de Itacaré, Antônio de Anízio, se reuniu com o diretor operacional da Atac Treinamentos em Resgate e Emergências, Lemuel de Araújo, empresa que já atua no ramo de gestão administrativa, segurança e destinação de resíduos sólidos em diversas cidades brasileiras e em outros países, para discutir parcerias, alternativas e soluções para uma série de problemas e serviços na cidade.

A proposta é garantir mais economia para Itacaré, assegurar serviços mais eficientes, realizar mais obras e investimentos, qualificar cada vez mais o quadro de servidores, possibilizar uma melhor utilização do lixo e resíduos sólidos e trazer tecnologias ecologicamente corretas.

Durante o encontro o diretor operacional da Atac apresentou uma série de alternativas que possam garantir mais eficiência energética, assegurando economia para a cidade e serviços cada vez melhores para os cidadãos e empresas. Também tratou da construção de casas e modulados com alta tecnologia e menor preço que as de alvenarias tradicionais, sendo ecologicamente corretas e com um sistema inteligente de economia de água e energia elétrica, utilizando em parte de sua construção materiais reciclados.

Para o prefeito Antônio de Anízio, nesse momento de dificuldades em que se encontram os municípios brasileiros, a busca de parcerias e de alternativas para melhorar os serviços e reduzir os custos é de fundamental importância para que se possa garantir o desenvolvimento e o progresso.

A proposta do prefeito de Itacaré é de agendar um encontro entre a empresa e os municípios vizinhos para que se possa junto com os gestores e os secretários de cada pasta apresentar as propostas, esclarecer dúvidas sobre a implantação dos projetos e se discutir de forma conjunta de que forma será possível estabelecer esse consórcio para se resolver problemas comuns.


CDS-LS e Comitê de Bacias entregam projeto para a criação do Observatório da Bacia do Leste

luciano-veiga-vivialdo-mendonca-antonio-de-anizio-e-acassia-pinhoO presidente da Amurc e do Consórcio Litoral Sul, Antônio de Anízio e o presidente do Comitê de Bacias do Leste, Luciano Veiga entregaram ao secretário de Ciência, Tecnologia e Informação da Bahia, José Vivaldo Souza de Mendonça, na última sexta-feira, 10, o projeto para a criação do Observatório da Bacia Hidrográfica do Leste.

O projeto tem como objetivo formar um banco de dados para a Bacia Hidrográfica do Leste, visando à integração de diversas informações, permitindo a condução eficiente e eficaz das políticas públicas e privadas do setor. Atualmente, as informações inerentes a Bacia Hidrográfica do Leste não se encontram acessíveis.

A ideia, segundo o presidente do Comitê é tornar acessíveis, através de uma plataforma na Web, os planos de Saneamento Básico dos municípios, planos de Bacias, diagnósticos e projetos de institutos de ensino, entre outros. A partir daí, “facilitar a elaboração de programas e projetos importantes para a região, levando como princípios a conservação da Biodiversidade e o Desenvolvimento Sustentável Regional”, destacou Luciano.

Para o presidente Consórcio, que também é prefeito de Itacaré, ações em conjunto com as entidades representativas, impulsiona o desenvolvimento da região. De acordo com ele, “a iniciativa vai impactar positivamente no crescimento dos municípios, tendo em vista que a partir das informações do Observatório, poderão ser planejadas ações estruturantes”, concluiu Antônio de Anízio.


UFSB criará “Casa Inteligente de Práticas Sustentáveis”

ufsb sustentA Universidade Federal do Sul da Bahia terá um ciclo de oficinas para a implantação de uma “Casa Inteligente de Práticas Sustentáveis” no Campus Jorge Amado, em Ferradas/Itabuna, nos meses de março e abril de 2017. As oficinas serão ofertadas por docentes da UFSB e especialistas da região que integram o Programa Integrado de Pesquisa, Extensão, Criação e Inovação (PIPECI) em Meio Ambiente e Saneamento da UFSB. As oficinas são direcionadas para os estudantes da UFSB e pessoas das comunidades de entorno do campus, com especial interesse na área.

Interessados em participar deverão preencher o formulário eletrônico disponibilizado no link e ficar atentos ao período de inscrições. Nas oficinas, os cursistas terão oportunidade de conhecer a “Casa Inteligente” e contribuir para a implantação das “Práticas Sustentáveis” e, ainda, absorver os conceitos técnicos relacionados com o cotidiano da Casa Inteligente, podendo se tornar usuários e disseminadores das práticas.


Brasil perde quase 40% da água tratada com vazamentos, aponta estudo

Ranking do saneamento O estudo também faz um ranking das 100 maiores cidades do país baseado nos diversos indicadores de saneamento básico, como acesso ao abastecimento de água e à coleta de esgoto, o percentual do esgoto tratado e investimentos e arrecadação no setor. Veja a lista abaixo. 1º - Franca (SP) 2º - Uberlândia (MG) 3º - São José dos Campos (SP) 4º - Santos (SP) 5º - Maringá (PR) 6º - Limeira (SP) 7º - Ponta Grossa (PR) 8º - Cascavel (PR) 9º - Londrina (PR) 10º - Vitória da Conquista (BA)
Cidade de Vitória da Conquista na BA é a 10ª mehor no Ranking do Saneamento do Brasil

Do G1

Quase 40% da água tratada no país é perdida por causa de vazamentos nas tubulações, ligações clandestinas e erros de medição. É o que aponta um estudo do Instituto Trata Brasil obtido pelo G1. De acordo com os dados do Sistema Nacional de Informações Sobre Saneamento (SNIS) de 2015, que são os mais recentes e foram divulgados em janeiro deste ano, o índice nacional de perda de água na distribuição é de 36,7%. Em 2011, era de 38,8% – o que significa uma evolução muito lenta para diminuir o desperdício no país, de apenas 2,1 pontos percentuais em quatro anos.

O estudo do Trata Brasil destaca ainda o desempenho das 100 maiores cidades do país em comparação com a média nacional. Segundo Édison Carlos, presidente do instituto, estas cidades deviam puxar o crescimento do país, já que têm estruturas públicas e privadas mais bem desenvolvidas e porque abrangem cerca de 40% da população do Brasil. As diferenças entre os índices nacionais e os dessas cidades, porém, são poucas. O índice de perda de água é de 37,8%, contra os 36,7% nacionais, e a melhora entre 2011 e 2015 foi semelhante – 2 pontos percentuais.

“São grandes aglomerados com capacidade de investimento, de fazer projetos, com corpo de engenharia, estão esperávamos que estas 100 cidades fossem a locomotiva do país. Os números, porém, mostram que não, que nem as capitais estão conseguindo fazer o papel de melhorar mais rapidamente os indicadores de água e esgoto”, afirma Édison Carlos. “Se essas cidades não estão conseguindo, imagina os municípios menores, que têm piores estruturas.”

Vitória da Conquista na BA entre as 10 melhores do Ranking do Saneamento

O estudo também faz um ranking das 100 maiores cidades do país baseado nos diversos indicadores de saneamento básico, como acesso ao abastecimento de água e à coleta de esgoto, o percentual do esgoto tratado e investimentos e arrecadação no setor. Veja a lista abaixo.
1º – Franca (SP)
2º – Uberlândia (MG)
3º – São José dos Campos (SP)
4º – Santos (SP)
5º – Maringá (PR)
6º – Limeira (SP)
7º – Ponta Grossa (PR)
8º – Cascavel (PR)
9º – Londrina (PR)
10º – Vitória da Conquista (BA)

LEIA MAIS.


UESC doa 1500 de espécies nativas regionais

A Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em Ilhéus, está disponibilizando, para doação, cerca de 1.500 mudas, a maior parte de espécies nativas regionais, para serem plantadas nas nascentes dos rios, em áreas degradadas, em clareiras dentro de cacauais, arborização urbana e rural, além de outras finalidades.

Segundo o professor,  Luiz Alberto Mattos, do Departamento de Ciências Biológicas (DCB), “apesar de priorizar os pequenos agricultores (Agricultura Familiar), associações rurais e assentamentos, as mudas estarão disponíveis para quaisquer pessoas”.

As principais espécies que estão sendo disponibilizadas, e prontas para plantios, são: Pau-brasil (1.000), Pequi-verdadeiro, Amescla, Guabiraba, Roxinho, Óleo-comumbá, Guapuruvu, Pau-ferro, Guanandi, Andiroba e as exóticas Dormideira/Casqueiro, Jenipapeiro, entre outras.

As mudas deverão ser solicitadas ao professor  Luiz Alberto Mattos Departamento de Ciências Biológicas (DCB), da UESC,  através do e-mail < mattos@uesc.br > ou telefone (73) 3680-5185/5156.


Barragem do Rio Colônia com 56% das obras concluídas, diz governo

bar-2Garantir o abastecimento de água de qualidade por muitas décadas para mais de 350 mil moradores de Itabuna e região, que passa por grave crise hídrica, com a entrega da barragem do Rio Colônia.

Com este intuito, o Governo do Estado, através da Secretaria de Infraestrutura Hídrica e Saneamento (Sihs), realiza verdadeira força tarefa e obtém 56,78% da intervenção, situada no município de Itapé. A previsão de conclusão é até o segundo semestre deste ano. O valor total de investimento é R$ 108.498.283,0

“Esta obra, que terá 25 quilômetros de lâmina d’água é uma das prioridades da nossa pasta, do governo Rui Costa, e se traduzirá muito em breve em uma nova realidade para a população dessas localidades com acesso a água com potabilidade, mais saúde, desenvolvimento econômico e social e a tão esperada segurança hídrica”, frisou o secretário de Infraestrutura Hídrica e Saneamento, Cássio Peixoto, assegurando que já no mês de fevereiro, o número de funcionários será elevado para acelerar o ritmo das atividades.

A intervenção já conta com mobilização do canteiro de obra; conclusão do desvio provisório da BA 120; conclusão da ensecadeira montante; desvio do rio incluída a galeria; escavação, tratamento e regularização da fundação da barragem do bloco 2 ao 10; escavação do desvio do rio; tratamento fundação /mapeamento; escavação da fossa; execucação da ensecadeira de jusante; execução da cortina de impermeabilização; conclusão da galeria de drenagem e elevação do maciço até a cota 11,40 m e conclusão da galeria de hidromecânicos. Além da barragem em si, o projeto inclui a relocação da estrada, de linhas de energia, a construção de habitações, entre outras obras complementar.


Reunião debate Plano Estratégico de revitalização da Bacia do Rio Cachoeira

promotor-yuri-melo-luciano-veiga-e-lenildo-santanaAconteceu na manhã desta terça-feira (29), nas instalações da Ceplac em Itabuna, uma reunião promovida pela Secretaria de Meio Ambiente do Estado – SEMA, onde foram debatidos os projetos e ações para o Plano Estratégico de Revitalização do Rio Cachoeira. O encontrou reuniu representantes de instituições regionais e o presidente do Comitê de Bacias Hidrográficas do Leste, Luciano Veiga.

A ideia é promover a articulação entre os atores da Bacia e os executores do Plano Estratégico para possibilitar o envolvimento e participação no contexto de toda a elaboração. Para Luciano, do ponto de vista institucional têm vários atores que poderão dar suas contribuições, “a exemplo da criação do Observatório de Recursos Hídricos, que terá a finalidade de ser um Centro Tecnológico de Informações”.

O Observatório permitirá as instituições e os demais atores a terem um núcleo de informação e projetos que permitem a condução eficiente e eficaz das políticas públicas e privadas do setor. Estarão disponíveis os Planos de Saneamento Básico, os Planos de Bacias, diagnósticos, planos e projetos de institutos de ensino e de outros.

O Comitê de Bacias irá se reunir com os integrantes nos próximos dias para continuar o debate. Segundo o presidente, os membros do comitê têm autonomia necessária para moldar o Plano Estratégico a sua real necessidade, ou seja, apesar de ser uma proposta do Governo, o plano terá que ter o DNA da região.


Consórcio CDS-LS participa de oficina sobre agenda ambiental

CDS_Oficina_MMA_FTC_26_10_2016

Foi realizada durante todo o dia de ontem (26) a “oficina Diálogos A3P Bahia” promovida pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), em parceria com a Secretaria de Meio Ambiente do Estado da Bahia, em Itabuna, na sede da FTC. O público alvo foi os agentes dos municípios que atuam na area  da região sul baiana.

Os técnicos do Consórcio de Desenvolvimento Sustentável Litoral Sul vinculado ao programa Gestão Ambiental Compartilhada-GAC, Lucius Flavios  e Tauá Fontes participaram do evento e deram apoio a atividade. O diretor do Consórcio Luciano Veiga também prestigiou a programação.

A pauta da oficina trabalhou  temáticas a exemplo do  “uso racional dos recursos naturais e bens públicos, gerenciamento de resíduos sólidos, qualidade de vida no ambiente de trabalho, sensibilização e capacitação dos servidores, contratações públicas sustentáveis ou construções sustentáveis”.


Plenária do Comitê Bacias Hidrográficas do Leste discutiu plano de trabalho

Reunião do Comitê de BaciasFoi realizado na manhã desta segunda-feira,10, na Faculdade de Tecnologias e Ciências de Itabuna, a 30ª plenária ordinária dos membros titulares do Comitê de Bacias Hidrográficas do Leste – CBHL.  Entre os pontos de pauta estava a apresentação de um plano de trabalho com as principais agendas e diretrizes das ações do Comitê, prevista para o próximo ano, 2017.

“Esta agenda contempla atividades a serem trabalhadas pelo Comitê, voltadas para o desenvolvimento estratégico das ações para até final deste ano e, principalmente para 2017”, afirmou o presidente do CBHL, Luciano Robson Rodrigues Veiga, que faz parte do colegiado pelo Consórcio de Desenvolvimento Sustentável Litoral Sul – CDS-LS.

Ainda segundo Veiga, o objetivo do planejamento da nova gestão do Comitê, que assumiu a pouco mais de dois meses, é “permitir a otimização, eficiência e eficácia no atendimento as demandas dos membros do Comitê, bem como desenvolver ações visando o fortalecimento das lutas hídricas, através de ações articuladas com a União, o Estado, os Municípios e as instituições parceiras”.

A reunião que contou com maioria dos membros do CBHL tratou também sobre a necessidade de reformulação e inclusão de novas Câmaras Temáticas do Comitê, da criação do observatório dos recursos hídricos, e definiu uma comissão para análise e proposições do regimento interno do CBHL.