Audiência pública debate importância de cursos Técnicos de Agroecologia e Meio Ambiente

galo 1A importância dos cursos técnicos de Agroecologia e Meio Ambiente no desenvolvimento territorial foi tema de uma audiência pública, de iniciativa da Frente Parlamentar Ambientalista da Bahiano Instituto Anísio Teixeira, em Salvador. Segundo informações apresentadas na atividade, os cursos técnicos de agroecologia estão distribuídos em 14 territórios e 26 municípios do Estado.

“Estamos formando milhares de técnicos em agroecologia e meio ambiente ao tempo em que discutimos a aprovação da Política Estadual de Agroecologia e Produção Orgânica, então precisamos articular o legislativo, as escolas de ensino profissionalizante e as diversas secretarias porque esses cursos têm um papel importante para o desenvolvimento territorial sustentável e para a produção de alimentos livres de veneno”, afirmou o deputado Marcelino Galo, que coordena a Frente Parlamentar Ambientalista na Assembleia Legislativa.

“É muito importante essa integração da educação profissional com o Legislativo para que a gente estruture políticas públicas que viabilizem a produção agroecológica na Bahia”, disse Durval Libânio, superintendente de Educação Profissional e Tecnológica. “O território é um espaço de disputa. Esses cursos servem para que a classe trabalhadora ocupe espaços e determine ações que contribuam para o desenvolvimento local sustentável, no viés da agroecologia, principalmente para a população do campo”, afirmou Pedro Melo, secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Cruz das Almas.

Também participaram do evento Flavio Duarte, presidente da Associação Brasileira de Agroecologia, Leonardo Bichara, representante do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrário, José Antonio Lobo dos Santos, da Superintendência de Meio Ambiente e Infraestrutura da UFBA, Kitty de Queiroz, representando a SEMA e Joelson Ferreira, da Teia dos Povos.


Fundação Marimbeta comemora a Semana do Meio Ambiente

A Fundação Marimbeta promove na Semana do Meio Ambiente, a uma série de atividades com o objetivo de despertar a responsabilidade ambiental das crianças e adolescentes assistidas nas suas quatro unidades operacionais. A presidente da entidade, professora Cleonice Almeida, lembra que desde o início da sua gestão, em abril deste ano, tem buscado aplicar uma nova proposta pedagógica de integração da escola formal com as oficinas e atividades sócio-educativas.

“Nas quatro unidades que funcionam nos bairros Antique, São Pedro, Fonseca e Nova Ferradas atendemos 1.200 alunos e todos estão participando das atividades da Semana do Meio Ambiente, tais como: palestras motivacionais e plantio de mudas de árvores na área das unidades da Fundação”, informa a professora Cleonice Almeida, lembrando que as atividades seguem até o dia 09 de junho.

Ela destaca ainda, que a Fundação Marimbeta tem um histórico de atuação na sociedade itabunense, na qual desenvolve ações educativas visando atender a criança e o adolescente em situação de vulnerabilidade social, contribuindo de forma efetiva para sua formação cidadã.


Ibicaraí recebeu Oficina sobre Revitalização da Bacia do Rio Cachoeira

oficinaA prefeitura de Ibicaraí, através da secretaria municipal Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente e o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), participaram durante toda a manhã da última terça-feira, 30 de maio, nas dependências da Faculdade Montenegro, situada na avenida São Vicente de Paula, Centro, em Ibicaraí, de um oficina para traçar o Plano Estratégico de Revitalização da Bacia do Rio Cachoeira.

Essa ação está acontecendo em três etapas: a primeira no município de Itororó, no último dia 23 de maio; a segunda em Ibicaraí e a terceira e a última etapa, quarta-feira, dia 31, nas dependências da Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC).

As oficinas fazem parte da construção do Plano Estratégico de Revitalização da Bacia do Rio Cachoeira e estão sendo feitas através da Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia (SEMA), em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), através do Programa de Desenvolvimento Ambiental (PDA); do Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) e conta com consultoria da empresa V&S Ambiental.

A oficina teve duas etapas. A primeira aconteceu com a apresentação de estudos feitos na Bacia nos últimos anos. E a segunda parte da oficina com a formação de grupos de debates, onde foram elaboradas propostas que entrarão na elaboração do Plano Estratégico. A oficina foi coordenada pelo Geólogo, PhD em Oceanografia, Pedro Coutinho, que contou com o apoio dos Biólogos Francisco Pimenta, Mateus Giffone e Alexandre Carneiro e da Psicóloga e Coordenadora Iara Moreira.

Segundo a secretária municipal de Agricultura, Telma Elisia, por recomendação do prefeito Lula Brandão, tem tomado medidas em busca de melhorias para o município. “Temos pedido, junto ao governo do Estado, uma maior atenção com a questão hídrica e ações relativas à preservação, recuperação das matas e o início do pagamento por serviço ambiental (PSA). Esperamos que em breve possamos trazer boas notícias para Ibicaraí”, finalizou Telma.


Comitê de Bacias debate situação hídrica em Coaraci

prefeito-de-coaraci-em-pe-e-representantes-de-entidades-publicas-e-privadas-da-regiaoO Comitê de Bacias Hidrográficas do Leste – CBHL realizou essa semana, a 1ª reunião itinerante no município de Coaraci, com entidades públicas, privadas, e a sociedade civil. O objetivo foi de apresentação das ações que estão sendo desenvolvidas nos rios que cortam a região Sul da Bahia, além de encaminhamentos para a regularização do uso da água na região. O encontro contou com a participação de autoridades a exemplo do Prefeito Jadson Albano e do Pró-Reitor de Extensão da UESC prof. Alessandro Santana.

Foi apresentado o andamento do projeto de Revitalização do Rio Água Branca, em Itabuna, que está na fase de educação ambiental, limpeza, construção de praças, matas ciliares, conscientização da população, dentre outras ações. O projeto Rio Limpo do Rio Almada, com a recuperação do Rio Jacarezinho, pela UFSB. O projeto de revitalização do Rio Cachoeira, que está sendo feito pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente – Sema.

De acordo com o presidente do CBHL, Luciano Veiga, o encontro permitiu que o Comitê se apresentasse e começasse seu roteiro de apresentação nas micro bacias da região. “A reunião foi positiva, pois permite que os poderes, público e privado sejam atores para a construção de políticas públicas para o meio ambiente, em especial ao potencial hídrico da região”, declarou Luciano.

reuniao_comite_bacias_coaraci_16_05_2017Em sua fala, o prefeito de Coaraci, Jadson Albano declarou-se honrado pela visita do Comitê e ressaltou a importância das ações de preservação e uso da água. O secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Coaraci, Gildásio Brandão destacou que a visita levou uma discussão entre as instituições com a comunidade, “permitindo a integração e o pensamento de responsabilidade ambiental”.

Como encaminhamento, foi elaborado um plano de trabalho para o fortalecimento do comitê, em especial da câmara técnica de educação do meio ambiente, com o objetivo de colher e difundir melhores práticas. “A proposta visa criar um movimento permanente nos variados segmentos da sociedade, buscando uma consciência ambientalista, preservacionista, com atenção maior ao nosso parque hídrico”, explicou Luciano.

Importância

O Comitê de Bacias é uma instância colegiada formada por representantes dos poderes públicos (municipal, estadual e federal), da sociedade civil e dos usuários da água (dos setores de irrigação, abastecimento humano, energia elétrica, navegação, lazer, turismo e pesca), também conhecida como Parlamento das Águas, com a competência de promover a gestão participativa das águas.


Entidades comemoram ações no Dia Mundial da Água na Amurc

cafe-da-manha-com-representantes-da-centro-das-aguasNo Dia Mundial da Água, celebrado nesta quarta-feira, 22, representantes da Associação dos Municípios da Região Cacaueira – Amurc e do Centro das Águas estiveram reunidos em um café da manhã, para comemorar as ações do setor na região. No encontro foi anunciada a proposta de recuperação da Bacia do Rio Cachoeira e a aprovação pela Secretaria Ciência, Tecnologia e Informação do Estado para a criação do Observatório da Bacia Hidrográfica do Leste.

De acordo com a coordenadora do Centro das Águas, Maria Luzia de Melo, a proposta de recuperação da Bacia do Rio Cachoeira está sendo articulada pelo Pró-reitor de Extensão da Uesc, Alessandro Fernandes e o diretor do Departamento de Ciências Agrárias da Uesc, Mauricio Moreau. As ações do projeto visam a educação ambiental, limpeza de canal, recuperação de mata ciliar, das nascentes e monitoramento de qualidade da água.

Outra boa notícia foi a aprovação do projeto para a criação do Observatório da Bacia Hidrográfica do Leste, que tem como objetivo formar um banco de dados em uma plataforma na Web e tornar acessíveis os planos de Saneamento Básico dos municípios, diagnósticos e projetos diversos. A partir daí, “irá facilitar a elaboração de programas e projetos importantes para a região, levando como princípios a conservação da biodiversidade e o desenvolvimento sustentável”, destacou Luciano.

O presidente da Amurc e prefeito de Itacaré, Antônio de Anísio parabenizou os representantes das entidades presentes, em estar apoiando as ações em prol da revitalização da Bacia do Rio Cachoeira, pois entende que a água é um recurso natural e que precisa ser preservado. “Água é vida e devemos preservar. Por isso, esses projetos são importantes para dar perenidade a esse recurso”.

O Centro das Águas é formado por representantes da Amurc, Rotary, Lions, Maçonaria, OAB, Sindicom, Emasa, Embasa, TV Santa Cruz, Loja Maçônica Aerópago, Colégio Sistema, CDL de Itabuna, Prefeitura de Itabuna, bem como os diversos segmentos da sociedade civil organizada, Universidade Federal do Sul da Bahia – UFSB e a Universidade Estadual de Santa Cruz – Uesc.

 


Itacaré discute projetos de melhorias do serviço público e gestão ambiental

itac gestãoO prefeito de Itacaré, Antônio de Anízio, se reuniu com o diretor operacional da Atac Treinamentos em Resgate e Emergências, Lemuel de Araújo, empresa que já atua no ramo de gestão administrativa, segurança e destinação de resíduos sólidos em diversas cidades brasileiras e em outros países, para discutir parcerias, alternativas e soluções para uma série de problemas e serviços na cidade.

A proposta é garantir mais economia para Itacaré, assegurar serviços mais eficientes, realizar mais obras e investimentos, qualificar cada vez mais o quadro de servidores, possibilizar uma melhor utilização do lixo e resíduos sólidos e trazer tecnologias ecologicamente corretas.

Durante o encontro o diretor operacional da Atac apresentou uma série de alternativas que possam garantir mais eficiência energética, assegurando economia para a cidade e serviços cada vez melhores para os cidadãos e empresas. Também tratou da construção de casas e modulados com alta tecnologia e menor preço que as de alvenarias tradicionais, sendo ecologicamente corretas e com um sistema inteligente de economia de água e energia elétrica, utilizando em parte de sua construção materiais reciclados.

Para o prefeito Antônio de Anízio, nesse momento de dificuldades em que se encontram os municípios brasileiros, a busca de parcerias e de alternativas para melhorar os serviços e reduzir os custos é de fundamental importância para que se possa garantir o desenvolvimento e o progresso.

A proposta do prefeito de Itacaré é de agendar um encontro entre a empresa e os municípios vizinhos para que se possa junto com os gestores e os secretários de cada pasta apresentar as propostas, esclarecer dúvidas sobre a implantação dos projetos e se discutir de forma conjunta de que forma será possível estabelecer esse consórcio para se resolver problemas comuns.


CDS-LS e Comitê de Bacias entregam projeto para a criação do Observatório da Bacia do Leste

luciano-veiga-vivialdo-mendonca-antonio-de-anizio-e-acassia-pinhoO presidente da Amurc e do Consórcio Litoral Sul, Antônio de Anízio e o presidente do Comitê de Bacias do Leste, Luciano Veiga entregaram ao secretário de Ciência, Tecnologia e Informação da Bahia, José Vivaldo Souza de Mendonça, na última sexta-feira, 10, o projeto para a criação do Observatório da Bacia Hidrográfica do Leste.

O projeto tem como objetivo formar um banco de dados para a Bacia Hidrográfica do Leste, visando à integração de diversas informações, permitindo a condução eficiente e eficaz das políticas públicas e privadas do setor. Atualmente, as informações inerentes a Bacia Hidrográfica do Leste não se encontram acessíveis.

A ideia, segundo o presidente do Comitê é tornar acessíveis, através de uma plataforma na Web, os planos de Saneamento Básico dos municípios, planos de Bacias, diagnósticos e projetos de institutos de ensino, entre outros. A partir daí, “facilitar a elaboração de programas e projetos importantes para a região, levando como princípios a conservação da Biodiversidade e o Desenvolvimento Sustentável Regional”, destacou Luciano.

Para o presidente Consórcio, que também é prefeito de Itacaré, ações em conjunto com as entidades representativas, impulsiona o desenvolvimento da região. De acordo com ele, “a iniciativa vai impactar positivamente no crescimento dos municípios, tendo em vista que a partir das informações do Observatório, poderão ser planejadas ações estruturantes”, concluiu Antônio de Anízio.


UFSB criará “Casa Inteligente de Práticas Sustentáveis”

ufsb sustentA Universidade Federal do Sul da Bahia terá um ciclo de oficinas para a implantação de uma “Casa Inteligente de Práticas Sustentáveis” no Campus Jorge Amado, em Ferradas/Itabuna, nos meses de março e abril de 2017. As oficinas serão ofertadas por docentes da UFSB e especialistas da região que integram o Programa Integrado de Pesquisa, Extensão, Criação e Inovação (PIPECI) em Meio Ambiente e Saneamento da UFSB. As oficinas são direcionadas para os estudantes da UFSB e pessoas das comunidades de entorno do campus, com especial interesse na área.

Interessados em participar deverão preencher o formulário eletrônico disponibilizado no link e ficar atentos ao período de inscrições. Nas oficinas, os cursistas terão oportunidade de conhecer a “Casa Inteligente” e contribuir para a implantação das “Práticas Sustentáveis” e, ainda, absorver os conceitos técnicos relacionados com o cotidiano da Casa Inteligente, podendo se tornar usuários e disseminadores das práticas.


Brasil perde quase 40% da água tratada com vazamentos, aponta estudo

Ranking do saneamento O estudo também faz um ranking das 100 maiores cidades do país baseado nos diversos indicadores de saneamento básico, como acesso ao abastecimento de água e à coleta de esgoto, o percentual do esgoto tratado e investimentos e arrecadação no setor. Veja a lista abaixo. 1º - Franca (SP) 2º - Uberlândia (MG) 3º - São José dos Campos (SP) 4º - Santos (SP) 5º - Maringá (PR) 6º - Limeira (SP) 7º - Ponta Grossa (PR) 8º - Cascavel (PR) 9º - Londrina (PR) 10º - Vitória da Conquista (BA)
Cidade de Vitória da Conquista na BA é a 10ª mehor no Ranking do Saneamento do Brasil

Do G1

Quase 40% da água tratada no país é perdida por causa de vazamentos nas tubulações, ligações clandestinas e erros de medição. É o que aponta um estudo do Instituto Trata Brasil obtido pelo G1. De acordo com os dados do Sistema Nacional de Informações Sobre Saneamento (SNIS) de 2015, que são os mais recentes e foram divulgados em janeiro deste ano, o índice nacional de perda de água na distribuição é de 36,7%. Em 2011, era de 38,8% – o que significa uma evolução muito lenta para diminuir o desperdício no país, de apenas 2,1 pontos percentuais em quatro anos.

O estudo do Trata Brasil destaca ainda o desempenho das 100 maiores cidades do país em comparação com a média nacional. Segundo Édison Carlos, presidente do instituto, estas cidades deviam puxar o crescimento do país, já que têm estruturas públicas e privadas mais bem desenvolvidas e porque abrangem cerca de 40% da população do Brasil. As diferenças entre os índices nacionais e os dessas cidades, porém, são poucas. O índice de perda de água é de 37,8%, contra os 36,7% nacionais, e a melhora entre 2011 e 2015 foi semelhante – 2 pontos percentuais.

“São grandes aglomerados com capacidade de investimento, de fazer projetos, com corpo de engenharia, estão esperávamos que estas 100 cidades fossem a locomotiva do país. Os números, porém, mostram que não, que nem as capitais estão conseguindo fazer o papel de melhorar mais rapidamente os indicadores de água e esgoto”, afirma Édison Carlos. “Se essas cidades não estão conseguindo, imagina os municípios menores, que têm piores estruturas.”

Vitória da Conquista na BA entre as 10 melhores do Ranking do Saneamento

O estudo também faz um ranking das 100 maiores cidades do país baseado nos diversos indicadores de saneamento básico, como acesso ao abastecimento de água e à coleta de esgoto, o percentual do esgoto tratado e investimentos e arrecadação no setor. Veja a lista abaixo.
1º – Franca (SP)
2º – Uberlândia (MG)
3º – São José dos Campos (SP)
4º – Santos (SP)
5º – Maringá (PR)
6º – Limeira (SP)
7º – Ponta Grossa (PR)
8º – Cascavel (PR)
9º – Londrina (PR)
10º – Vitória da Conquista (BA)

LEIA MAIS.


UESC doa 1500 de espécies nativas regionais

A Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em Ilhéus, está disponibilizando, para doação, cerca de 1.500 mudas, a maior parte de espécies nativas regionais, para serem plantadas nas nascentes dos rios, em áreas degradadas, em clareiras dentro de cacauais, arborização urbana e rural, além de outras finalidades.

Segundo o professor,  Luiz Alberto Mattos, do Departamento de Ciências Biológicas (DCB), “apesar de priorizar os pequenos agricultores (Agricultura Familiar), associações rurais e assentamentos, as mudas estarão disponíveis para quaisquer pessoas”.

As principais espécies que estão sendo disponibilizadas, e prontas para plantios, são: Pau-brasil (1.000), Pequi-verdadeiro, Amescla, Guabiraba, Roxinho, Óleo-comumbá, Guapuruvu, Pau-ferro, Guanandi, Andiroba e as exóticas Dormideira/Casqueiro, Jenipapeiro, entre outras.

As mudas deverão ser solicitadas ao professor  Luiz Alberto Mattos Departamento de Ciências Biológicas (DCB), da UESC,  através do e-mail < mattos@uesc.br > ou telefone (73) 3680-5185/5156.