Em sete meses, Caixa arrecada R$ 7,6 bilhões em loterias

caixa_sao_caetanoAs loterias da Caixa Econômica Federal arrecadaram, nos primeiros sete meses de 2017, R$ 7,641 bilhões. O valor corresponde a um crescimento nominal de 9,6% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Do valor arrecadado, R$ 3,6 bilhões foram repassados a programas sociais nas áreas de saúde, educação, esportes, segurança, cultura e seguridade, conforme definição legal, incluídos R$ 698 milhões de imposto de renda sobre os prêmios. No mês de julho, o volume de vendas foi R$ 1,3 bilhão, resultado 33% superior ao contabilizado no mesmo mês em 2016.

No período, foram ofertados mais de R$ 2,5 bilhões em prêmios, consideradas todas as modalidades lotéricas. Segundo a Caixa, a Mega-Sena foi o item mais procurado nas loterias e arrecadou R$ 2,9 bilhões, quase 40% de todas as vendas.

O último sorteio feito pela Mega-Sena ofertou um prêmio de R$ 107 milhões, pago a um ganhador do Rio de Janeiro.


Indústria do arroz definiu mercados prioritários para exportações

A indústria brasileira do arroz definiu os mercados que serão o foco de suas exportações nos próximos dois anos. Em recente encontro, o projeto Brazilian Rice realizou a análise que definiu os países a serem trabalhados em ações como missões comerciais, feiras, rodadas de negócio, capacitação empresarial e abordagens para abertura de barreiras, contando com a contribuição de suas empresas associadas e da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). O Brazilian Rice é desenvolvido pela Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz) com a Apex-Brasil, visando o crescimento das exportações do cereal brasileiro no comércio exterior.

Os países definidos no chamado ranqueamento de mercados foram divididos em dois grupos: um ligado à promoção comercial (em espaços onde o arroz brasileiro já tem presença ou consolidação, com potencial de alta) e outro focado no acesso a países que atualmente têm restrições a importações do Brasil em função de barreiras tarifárias ou sanitárias. Mercados para promoção comercial: Estados Unidos, Peru, Arábia Saudita, Panamá e Reino Unido. Países para articulação de abertura de barreiras: Colômbia, México e China.

A reunião que definiu os mercados ocorreu no Sindarroz-RS, em Porto Alegre, contando com mais de 20 empresas do projeto Brazilian Rice e foi aberta com apresentação sobre certificações internacionais – um ponto importante para crescimento das exportações de arroz do Brasil. Como destaca Gustavo Ludwig, gerente do Brazilian Rice, cada ação do projeto é estudada em detalhes para contemplar um espectro grande de empresas de diversos portes e regiões do país, já que 78% das exportações de arroz beneficiado do Brasil são de empresas integradas ao projeto (em 2013, ano da primeira edição do projeto, esse índice era de 15%). Os resultados têm sido positivos: em 2013, as empresas participantes do Brazilian Rice exportaram arroz para 36 destinos, resultando em US$ 57 milhões para o país; em 2016, o número ficou em 52 países, com valor final de US$ 73 milhões. 


Espaço solidário de Itabuna é reinaugurado

reinauguracaoloja1A Associação Itabunense de Artesãos – AIART ganhou mais um ponto de venda para as suas peças. O empreendimento é um dos 38 que vão comercializar seus produtos no Espaço Solidário, reinaugurado nesta quinta-feira (27).

O equipamento, parte do Centro Público de Economia Solidária (Cesol) – Litoral Sul, no município de Itabuna, funciona na Praça Olinto Leone, no Centro da cidade. Com 56 associados, dos munícipios de Itabuna, Ilhéus e região, a AIART produz artesanato em cerâmica, tecido e crochê.

“O Cesol já apoia a gente na participação de feiras. o Espaço Solidário é mais uma alternativa de comercialização”, comemora a artesã Aída Alves, associada da AIART.

Presente no evento, a secretária do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, Olívia Santana, destacou que “o escoamento da produção é o principal gargalo dos empreendimentos solidários, daí a importância de espaços como esse, que volta a funcionar”.

Estiveram presentes no evento o vice-prefeito de Itabuna, Fernando Vita e empreendedores apoiados pelo Cesol.

Nos Centros Públicos de Economia Solidária, vinculados à Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), são oferecidos estudo de viabilidade econômica, assistência técnica gerencial, orientação de acesso ao crédito, assistência técnica em comercialização e marketing, capacitação em áreas afins e assessoria para organização de feiras e exposições.


Caixa Econômica começa a pagar abono do PIS/Pasep

caixa_sao_caetanoA Caixa Econômica Federal inicia hoje (27) o pagamento do Abono Salarial calendário 2017/2018, ano-base 2016. Os pagamentos serão efetuados conforme o mês de nascimento do trabalhador, começando com os nascidos em julho. Os beneficiários deste mês, titulares de conta individual na Caixa com saldo acima de R$ 1,00 e movimentação, terão crédito automático no dia 25 de julho.

Os valores do benefício variam de R$ 79 a R$ 937, de acordo com o tempo de trabalho durante o ano de 2016. Os recursos ficarão disponíveis ao trabalhador até 29 de junho de 2018.

Tem direito ao benefício quem está inscrito no Programa de Integração Social (PIS) ou no Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) há pelo menos cinco anos, que trabalhou formalmente por pelo menos 30 dias em 2016, com remuneração mensal média de até dois salários mínimos.

Os trabalhadores que não sacaram até dia 30 de junho o Abono Salarial calendário 2016/2017, ano-base 2015, também terão nova oportunidade para receber o benefício. Para eles, o valor estará disponível para saque de 27 de julho a 28 de dezembro de 2017.(Agencia Brasil)


Estudo aponta que 45% dos donos de microempresas rurais baianos usam smartphones para acessar a web

Em estudo divulgado nesta terça-feira (25), Dia do Produtor Rural, o Sebrae mostra que 45% dos donos de microempresas rurais da Bahia usam smartphones para acessar a web. Os principais fatores que levam os produtores rurais baianos a acessarem à internet no seu negócio rural são: uso de email (77,4%); pesquisa de preço/fornecedores (61,3%); serviços financeiros (45,2%); compra de insumos ou mercadorias (38,7%); e serviços do governo (35,5%).

A pesquisa nacional foi feita com 4.467 produtores rurais de 27 estados para conhecer a relação entre os pequenos produtores rurais e as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC).

Esse processo de modernização contribui de forma significativa para aumento da produtividade e da gestão profissional nos empreendimentos baianos. É o caso da empresária Cecília Gomes, da marca Amado Cacau, em Ilhéus, que desde 2015, quando iniciou o seu negócio, utiliza smartphone para acesso ao e-mail institucional, ao site e às redes sociais (Instagram e Facebook).

São recursos fundamentais, que segundo ela, otimizam o seu negócio, com a comercialização de 10 produtos de chocolate e derivados do cacau. Além dos pontos de vendas fixos em Ilhéus, Salvador e São Paulo e a comercialização em feiras e festivais, Cecília revela que faz venda direta ao consumidor através de contato telefônico ou redes sociais. “As vendas que faço pelo WhatsApp é o que mais funciona hoje. Até o contato que faço para ter acesso aos pontos de vendas é via celular”.


Feira gera expectativa de negócios no Festival do Chocolat Bahia

 

ana-e-edgar-morbek-foto-mauricio-maronPor Viviane Cabral

O Festival do Chocolate da Bahia acontece até este domingo, 23, no Centro de Convenções, em Ilhéus, com a participação de expositores de chocolate, derivados de cacau e da economia criativa, fruto do projeto Cacau e Chocolate da Unidade Regional do Sebrae de Ilhéus. A expectativa dos expositores é de ampliar a divulgação e a comercialização dos seus produtos.

O idealizador e organizador do evento, Marco Lessa afirmou que a feira contempla 80 expositores da região e de várias cidades do estado da Bahia. Desse total, cerca de 40 % estão expondo chocolate, os demais são produtos de artesanato e derivados do cacau.

A novidade este ano, segundo o organizador, são seis marcas novas de chocolate, os derivados e a diversidade de tipos de chocolate com a utilização de nib’s. Além disso, Marco ressaltou que “a feira gera negócios no momento da exposição e outros são gerados depois. A expectativa, é fechar R$ 10 milhões em negócios”.

Para a coordenadora de Agronegócio do Sebrae na Bahia, Adriana Moura, o evento permite os expositores colocarem em prática todas as ações trabalhadas com o apoio do Sebrae. “A importância da qualidade dos produtos, a identificação dos nichos de mercado e a gestão do próprio negócio. Além disso, precisamos fortalecer a governança das entidades no território, o trabalho articulado com outras instituições na região”, relatou Adriana.

Inovação

Com o apoio do Sebrae, a empresária Cecília Gomes, da marca Amado Cacau inovou no festival com um chocolate mais saudável, 72% de cacau, sem leite e composto por açúcar orgânico, cacau e manteiga. Essa é a primeira formulação feita pela empresária, que tem como sócia, a irmã Greice Gosta, responsável pela roupagem das embalagens.

Desde que iniciaram a produção de chocolate, em 2015, Cecília destaca o apoio do Sebrae na realização de cursos, oficinas, consultorias para o aprimoramento da gestão e a qualidade do produto. “O Sebrae é um grande parceiro. Desde a criação da nossa empresa, tem nós incentivado a participar de vários eventos e capacitações”.

O casal Edgar e Ana Maria Morbek produzem chocolate e derivados do cacau a partir do cacau orgânico há cinco anos, na região de Itacaré. Este ano, com o apoio do Sebrae, resolveram expor, pela primeira vez no Festival do Chocolate, com a expectativa de ampliar a divulgação e a comercialização dos seus produtos.

Atualmente, o casal investe na produção de chocolate 70%, em barra, além de alpino, nib’s, geleia, bolo de mel de cacau, queijo com nib’s, biscoito com mel de cacau, dentre outros. Todos estes produtos são comercializados em pontos estratégicos na região e via internet.

A história da lavoura cacaueira pode ser encontrada nas embalagens dos produtos comercializados pela República do Cacau. A proposta, segundo o proprietário da marca, José Brandt Filho é uma forma de valorizar o produto e a sua identidade histórica, com fotos que remontam a trajetória do cacau.

Brandt começou a investir no negócio a partir de 2015, após várias participações em cursos e capacitações oferecidos pelo Sebrae. Hoje, o carro-chefe da sua produção são as barras de 56% (ao leite) e 70% e 80% (ambas sem leite). Dentre as novidades expostas, destaque para a cerveja produzida em Ribeirão Preto – SP, com o nib’s fornecido pelo próprio Brandt.

Criatividade

Entre os expositores, chamam a atenção na feira peças feitas pelas artesãs da Associação do Hernani Sá Criativo, com bonecas de pano, cartonagem, aplicações de crochê e ponto de cruz em panos de prato. Já as artesãs do Pontal Criativo expõe produtos confeccionados com material reciclado, a exemplo de caixas de leite, CDS’s, palha de coco, cabaça, roupas jeans, entre outros, que são transformadas em bolsas, objetos pessoais em geral.


Festival transforma Ilhéus na capital brasileira do cacau e do chocolate

Chocolat Bahia 13Durante quatro dias, Ilhéus se transforma na capital brasileira do chocolate, com a realização do Chocolat Bahia 2017, aberto na noite desta quinta-feira (20) e que segue até domingo (23) no Centro de Convenções. Em sua 9ª edição, o Festival Internacional do Cacau e do Chocolate deve atrair cerca de 60 mil pessoas, que podem se deliciar com as 40 marcas de chocolates de origem produzidos no Sul da Bahia.

Com expectativa de R$ 10 milhões de negócios para os 80 expositores, que apresentam seus produtos do Pavilhão de Feiras, o evento tem o apoio do Governo do Estado da Bahia, através das secretarias da Cultura, do Turismo, de Desenvolvimento Rural, de Agricultura, de Ciência, Tecnologia e Inovação.

“Além da geração de emprego e renda, que é uma das prioridades do governador Rui Costa, o que temos hoje é uma mudança de mentalidade, com a verticalização da lavoura cacaueira, com a produção de chocolate de qualidade, um processo em que o Sul da Bahia é único do mundo, indo da amêndoa ao chocolate”, disse  o secretário de Desenvolvimento Econômico Jaques Wagner.


Temer sanciona projeto que libera R$ 102 milhões para emissão de passaportes

O presidente Michel Temer sancionou hoje (19) projeto que libera recursos para emissão de passaportes. A autorização de crédito extra de R$ 102 milhões para o Ministério da Justiça foi aprovada semana passada pelo Congresso Nacional.

Segundo a Casa Civil da Presidência da República, a sanção será publicada amanhã (20) no Diário Oficial da União. Depois da publicação, a verba será liberada assim que Ministério do Planejamento abrir o empenho de recursos e autorizar o repasse ao Ministério da Justiça, que o destinará à Polícia Federal (PF).

Paralisação

De acordo com a Polícia Federal, são realizados 11 mil atendimentos por dia útil para a requisição do documento em todo o país. Como a paralisação já dura três semanas, a demanda não atendida pode superar 150 mil pedidos.

Com orçamento insuficiente para as atividades de controle migratório e emissão de documentos de viagem, a Polícia Federal suspendeu a emissão de novos passaportes na noite do dia 27 de juno. Segundo a PF, o setor atingiu o limite de gastos previstos na Lei Orçamentária da União.(Agência  Brasil)


Festival do Chocolate promove capacitações e amostras de produtores locais

O 9º Festival Internacional do Chocolate e Cacau – Chocolat Bahia, que acontece nesta quinta-feira, dia 20 de julho, até domingo, 23, no Centro de Convenções, em Ilhéus, terá uma exposição das marcas integradas ao Projeto Derivados de Cacau e Chocolate do Sebrae. Os produtores terão ainda a oportunidade de investir nas capacitações, que estão com inscrições disponíveis no site do evento.

Uma das atividades é o curso intensivo Bean To Bar, na área de Formulação de Chocolate, programada para os dias 22, das 8h às 12h, e dia 23, das 8h às 11h30, ministrado por Luísa Abram, Chocolatier e Sócia do Chocolate Luísa Abram; Andal Balu e Mannarsamy Balasubramanian, Sócios da Cocoatown. As capacitações do Sebrae no Festival têm o objetivo de “estimular a independência do processo produtivo, já que, na maioria dos casos, esta produção é feita por terceiros e representa o maior valor na composição do custo do produto”, como destaca a gestora do projeto Cacau e Chocolate do Sebrae Ilhéus, Ana Carolina Menezes.

Para a empresária Cecília Gomes, da marca Amado Cacau, o Festival “é divisor de águas, pois nos traz uma visibilidade muito grande em todos os anos. Temos a oportunidade da venda direta e a possibilidade de ampliar o mercado para outro estado. E, mesmo após o festival, continuamos vendendo”, ressalta. Sobre os produtos que serão expostos, a empresária revelou que a novidade ficará por conta do lançamento de um chocolate com o teor de 72 % de cacau.


Receita começa a pagar hoje o 2º lote de restituição do Imposto de Renda

Receita Federal começa a pagar hoje (17) o segundo lote de restituição do Imposto de Renda de Pessoas Físicas 2017. Este lote também incluirá restituições residuais de 2008 a 2016, segundo informou o órgão. Cerca de 1,3 milhão de contribuintes que declararam Imposto de Renda neste ano vão receber dinheiro do Fisco.

Ao todo, serão desembolsados R$ 2,533 bilhões. A Receita também pagará R$ 467,2 milhões a 148,2 mil contribuintes que fizeram a declaração entre 2008 e 2016, mas estavam na malha fina. Considerando os lotes residuais e o pagamento de 2016, o total gasto com as restituições chegará a R$ 3 bilhões.

As restituições terão correção de 2,74%, para o lote de 2016, a 97,03% para o lote de 2008. Em todos os casos, os índices têm como base a taxa Selic (juros básicos da economia) acumulada entre a data de entrega da declaração até este mês.

O dinheiro será depositado nas contas informadas na declaração. O contribuinte que não receber a restituição deverá ir a qualquer agência do Banco do Brasil ou ligar para os telefones 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos) para ter acesso ao pagamento.

Os dois últimos lotes regulares serão liberados em novembro e dezembro. Se estiverem fora desses lotes, os contribuintes devem procurar a Receita Federal porque os nomes podem estar na malha fina por erros ou omissões na declaração.(Da Agência Brasil)