Sessão de autógrafos de Waldeny Andrade na CESE foi sucesso de público

waldeny-lanca-livro-na-cese-em-salvador-foto2-divulgacaoPor Luiz Conceição | Jonalista

Foi um sucesso a noite de lançamento do livro “Serra do Padeiro – A saga dos Tupinambás” do jornalista e escritor grapiúna Waldeny Andrade na Coordenadoria Ecumênica e de Serviços (CESE), na Graça, em Salvador.

Um seleto público compareceu à sessão de autógrafos da obra ficcional, editada pela Via Litterarum, que narra a história de três gerações de uma mesma família nascida da união de uma índia e um austríaco, que fugiu da Europa após a Primeira Guerra Mundial ao final da primeira década do século XX.

Para Waldeny Andrade a calorosa recepção do seu thriller pelo público da capital o surpreendeu, embora soubesse que ainda ecoa entre seus leitores soteropolitanos as boas histórias contidas nos seus dois primeiros livros pela mesma editora. “Vidas Cruzadas”, ambientado em Ilhéus, e lançado na 2ª Bienal do Livro em Salvador, com edição já esgotada, e A Ilha de Aramys, que narra a aventura amorosa de um casal apaixonado em uma ilha, cujos traços ainda resistem no Rio Cachoeira.

Agora as atenções se voltam para o lançamento de “Serra do Padeiro – A saga dos Tupinambás”, às 18h30min desta quarta-feira, 27, na Academia de Letras de Ilhéus, cidade onde o jornalista, ainda adolescente, deu os primeiros passos na mídia eletrônica, na Rádio Cultura de Ilhéus, no início da década de 1960. Natural de Ipiaú, Waldeny Andrade da Silva, 81 anos, é radialista e jornalista com mais de 60 anos de atuação na imprensa sul-baiana.

Nos últimos 50 anos viveu mais do que ninguém os fatos políticos, cotidianos e socioeconômico da Região Cacaueira, principalmente com o programa de notícias e comentários “Microfone Aberto”, apresentado de segunda a sexta-feira, às12h30min, na Rádio Jornal de Itabuna. Waldeny não esconde a ansiedade em ver parte do seu público na sessão de autógrafos na Academia de Letras de Ilhéus, onde mantém muitos amigos entre os integrantes os acadêmicos.

A Comunidade Ecumênica e de Serviços (CESE), na capital, é uma respeitada organização há mais de 40 anos, com atuação firme e dedicada à promoção, defesa e garantia de direitos civis. Criada por Igrejas Cristãs reúne representantes das igrejas Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, Presbiteriana Independente do Brasil, Presbiteriana Unida do Brasil, Episcopal Anglicana do Brasil, Aliança de Batistas do Brasil e da Igreja Católica Apostólica Romana – CNBB.


“Medida por medida” no teatro popular de Ilhéus

teatro-ilheusO Teatro Popular de Ilhéus (TPI) apresenta o espetáculo “Medida por medida” no próximo domingo, dia 17, no município de Camamu. A apresentação, gratuita, acontecerá na praça Drº. Pirajá da Silva, às 17h, no “Palco Rodante” do grupo ilheense.

Medida por medida é uma comédia baseada na obra de William Shakespeare, com direção e dramaturgia de Romualdo Lisboa.

A história se desdobra a partir das decisões de Ângelo, juiz implacável que substitui o Duque de Viena, cumprindo à risca as leis contra a fornicação. O texto aborda temas como poder, corrupção e os dilemas éticos e morais da vida pública e privada.

Antes da apresentação, o grupo realizará ainda, no período da manhã, uma oficina para artistas locais sobre a técnica Mondrongo, desenvolvida e utilizada pelo TPI na montagem de seus espetáculos.

A apresentação de Medida por medida em Camamu é o encerramento do projeto “Shakespeare no Sertão”, que tem apoio financeiro do Governo da Bahia. As atividades contam ainda com apoio cultural da Prefeitura Municipal de Camamu.


Prefeitura e comunidade discutem criação do Sistema Municipal de Cultura de Itacaré

cultura-itacareCriar o Sistema Municipal de Cultura para que sejam desenvolvidos cada vez mais projetos, eventos e investimentos nas ações e movimentos culturais da cidade. Esse foi o objetivo da reunião realizada na manhã desta quinta-feira, na Câmara de Vereadores, promovida pela Prefeitura de Itacaré, através da Secretaria de Juventude, Esporte e Cultura, onde foi discutida a lei que cria definitivamente o sistema.

A proposta foi esclarecer as dúvidas dos vereadores e da comunidade sobre a lei que foi discutida, debatida e elaborada pelo poder público e sociedade civil organizada durante as conferências municipais, seminários e encontros de cultura realizados nos últimos anos.

A criação do Sistema Municipal de Cultura faz parte do compromisso do prefeito de Itacaré, Antônio de Anízio, de valorizar cada vez mais os artistas e as manifestações culturais do município. O documento será agora encaminhado para a Câmara de Vereadores para discussão e votação e em seguida retorna ao Poder Executivo para que seja sancionada.

A lei dispõe sobre os princípios, objetivos, propostas e financiamentos do Sistema Municipal de Saúde. Durante a reunião os representantes da comunidade falaram sobre a necessidade da Câmara de Vereadores aprovar a lei que foi elaborada e discutida amplamente de forma conjunta por todos os segmentos, inclusive dos poderes Executivo e Legislativo, além dos prejuízos que a cidade vem somando por não ter ainda o seu sistema de cultura criado e regulamentado.


Reunião na FICC discute a IV Feira Literária

Na tarde da última quinta-feira,17, foi realizada na sede da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (FICC), uma reunião para discutir sobre a edição da IV Feira Literária de Itabuna – FELITA. O evento, que está marcado para acontecer entre os dias 25 a 28 de outubro, será realizado no Centro de Cultura Adonias Filho.

Durante a reunião, ficou estabelecido que, serão utilizados a concha acústica e as salas polivalentes do centro cultural, e que, por conta da interdição da sala de espetáculo, uma megaestrutura será montada em toda a área externa para a realização dos shows.

A FELITA é um evento que faz parte do calendário promocional da FICC. Segundo o diretor de Turismo da instituição, Ari Rodrigues, a feira “deverá manter o formato das outras três edições, sempre ressaltando a relevância de uma grande personalidade da literatura baiana”. Ele revelou que, para esta edição, a poetisa itabunense Valdelice Pinheiro será a homenageada.

Na reunião, também foram discutidas as montagens dos espetáculos, a escolha dos palestrantes, programação infanto-juvenil, atrações musicais e a definição do espaço destinado ao lançamento de livros, bem como as parcerias para o evento, além da divulgação do edital para a captação de recursos e patrocínio.


Oficina de dança integra escola e comunidade e dá início ao projeto Escolas Culturais em Itabuna

danca-escolas-culturais-1-1024x682A realização de uma oficina de dança marca o início das atividades do projeto Escolas Culturais no Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães, em Itabuna, no Sul da Bahia. O projeto integra o programa Educar para Transformar e tem como objetivo promover o protagonismo estudantil, além de reconhecer e requalificar a escola como um espaço de circulação e produção da diversidade cultural do Território de Identidade onde está inserida. O Colégio Modelo de Itabuna foi a primeira unidade da rede estadual a ter o projeto implantado.

dança escolas culturais 14A oficina, que reúne cerca de 200 pessoas entre estudantes e membros da comunidade, é dirigida por Francine Costa, da Secretaria de Educação do Estado e coordenadora de dança do projeto. “Trabalhar a arte-educação é trabalhar a relação professor-aluno, as relações de afeto, o fortalecimento do protagonismo juvenil, fazer com que o estudante acredite que é possível ser um agente transformador da sociedade”, afirma Francine. Para ela, “educar para transformar é entender e estimular o aluno para que ele promova a própria transformação”.

No Colégio Modelo de Itabuna, além da dança, já estão programadas as oficinas de literatura, audiovisual e música, além de rodas de conversa sobre cultura e apresentações de filmes para a comunidade, em sessões semanais do Cine Modelo. De acordo com a diretora do  colégio, Ednailza Miranda, o projeto contribui para a formação multidisciplinar dos estudantes através da arte. “Eles irão mergulhar na cultura em suas várias expressões, contribuindo para transformar a comunidade em que estão inseridos. Estamos formando não apenas alunos, mas principalmente cidadãos”.


Exposição, palestra e contação de histórias marcam Semana de Arte e Cultura Jorge Amado

A exposição ‘Candaces’, da estilista Ana Cristina Neves abre no dia 7 deste mês, a partir das 10 horas, a Semana de Arte e Cultura Jorge Amado, na Casa de Cultura que leva o nome do escritor, situada no Centro Histórico de Ilhéus. A mostra busca valorizar e propagar a cultura africana, através de roupas e acessórios.

‘Candaces’ é o nome de linhagem de rainhas que reinaram por três gerações no sul do Egito, de forma matriarcal, onde o poder era passado de mãe para filha. Eram rainhas-mães, mulheres guerreiras que detinham o poder político, civil e militar dos seus reinos. A exposição é inspirada nessas rainhas guerreiras mostrando roupas confeccionadas com tecidos africanos e estampas étnicas, brincos, colares, pulseiras, anéis e turbantes.

Com programação eclética, a Semana de Arte e Cultura segue de 7 a 10 deste mês, com visitas gratuitas na Casa de Cultura Jorge Amado. Já no dia 9, a partir das 16 horas, o escritor, ex-guerrilheiro valenciano e membro da Academia de Letras de Valença, Araken Vaz Galvão, faz palestra para estudantes e professores com o tema “Jorge Amado e eu”, no auditório da Academia de Letras de Ilhéus. A tônica da sua fala será a experiência com a escrita de Jorge Amado e sua passagem pela ditadura militar. Araken Vaz Galvão é autor de mais de 20 livros, dentre eles “Pargo e outras histórias”.

Ainda em homenagem ao escritor Jorge Amado consta na programação a realização do programa Leitura na Praça, em parceria com o Programa Nacional de Incentivo à Leitura (Proler), na praça Castro Alves, nas imediações da Biblioteca Pública Municipal Adonias Filho. O evento acontece no dia 10, a partir das 14 horas. Também a Semana de Arte e Cultura tem a contação de histórias, com “O gato Malhado e a andorinha Sinhá” e “A bola e o goleiro”. A atividade é gratuita e é para crianças das redes públicas de ensino de Ilhéus.


Capoeira para criança e adolescente em vulnerabilidade é tema de roda de conversa na UESC

“Capoeira Angola para o desenvolvimento comunitário e social para criança e adolescente em vulnerabilidade” é o título da roda de conversa que será promovida pelo núcleo de Estudos Afro-Baianos Regionais (Kawé), da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), nesta quarta-feira (2), com Edielson Miranda o “Mestre Roxinho”.

A Roda de conversa será realizada na Sala de Multimeios (2203) do curso de Comunicação, no Pavilhão Adonias Filho, da UESC.

Edielson Miranda “Mestre Roxinho” é capoeirista há 38 anos, formado em Desenvolvimento Comunitário (Community Work Development), Tafe Sydney Austrália. Atualmente cursando bacharelado em Desenvolvimento Humano e Comunitário (Community Service and Human Welfare), Charles Sturt University) Wagga, Austrália.

Há 20 anos o Mestre Roxinho está trabalhando com Capoeira Angola como instrumento social e educativo, no Brasil e no exterior.Ele é o fundador do projeto Bantu, em Salvador.


Rui lança projeto Escolas Culturais em Itabuna nesta quinta-feira

O governador Rui Costa lança nesta quinta-feira (27), em Itabuna, o projeto Escolas Culturais, que integra o programa Educar para Transformar e tem como objetivo promover o protagonismo estudantil. O ato está previsto para as 16h, no Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães.

Além de promover os estudantes, o projeto reconhece e requalifica a escola como um espaço de circulação e produção da diversidade cultural do Território de Identidade onde está inserida.

O lançamento terá a participação dos secretários de Cultura, Jorge Portugal; da Educação, Walter Pinheiro; e de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social, Carlos Martins; além de alunos da rede estadual de ensino de Itabuna e de grupos culturais da região.


Etapa do FAEG-Sul foi realizada em Almadina

A população de Almadina acolheu com alegria o projeto itinerante do Fórum de Agentes, Empreendedores e Gestores Culturais do Território Litoral Sul (FAEG-Sul), no dia 13 de julho. Apresentações artísticas intercaladas com palestras e oficinas transformaram a Escola Municipal Pouso Alegre em espaço para a valorização da cultura local e interação entre agentes culturais da região.

O projeto teve participações do Reisado Cristo Rei, Associação de Capoeira Filhos de Zambiacongo, Grupo de Dança Origem, Quadrilha Sertaneja Pouso Alegre, dupla Joice e Raissa e músicos Ribeiro e Roberto, além de exposição de artesanato com Alcimar Barros, Marcia Natividade, Fabiana do Bolo, Sirlandia Dias e Jocelma.

Contou com apoio da Prefeitura de Almadina, por meio da Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte e Departamento de Cultura. O evento contou com representantes de Itabuna, Ilhéus, Itajuípe, Uruçuca (Serra Grande), Coaraci, Ubaitaba e Canavieiras.

Na solenidade de abertura, o secretário de Administração, Tarcísio Cardoso, falou em nome do prefeito Milton Cerqueira, que acompanhava o governador Rui Costa em agenda regional. Ele enfatizou o compromisso do governo municipal com a cultura, parabenizou a inciativa do FAEG-Sul e enfatizou a riqueza cultural de Almadina.

O secretário de Governo, Hamurabe Flores, além de reforçar o apoio da prefeitura ao projeto, declamou poesia e distribuiu suas publicações de cordel. O gestor cultural Pawlo Cidade conduziu oficina sobre leis e diretrizes necessárias à implantação dos sistemas municipais de cultura, ferramenta indispensável ao fortalecimento do setor, com ênfase para a implantações dos planos municipais de cultura.


I Mostra de Cinema da UESC começa terça-feira

A I Mostra de Cinema da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) promovida pelo Departamento de Letras e Artes (DLA), será realizada a partir de terça-feira (9) com á encerramento na quinta-feira (11). O evento, para o qual estão sendo convidadas a comunidade acadêmica e a sociedade interessada, reúne cineastas produtores culturais, professores, pesquisadores e alunos para refletir sobre os rumos do cinema contemporâneo que está sendo produzido na Bahia, nos dias atuais.

Dentre as reflexões propostas estão as limitações à produção cinematográfica na Bahia e as alternativas à circulação em um mercado dominado pelo produto estrangeiro, bem como, em tempos de crise, como realizar filmes ante a precariedade das políticas públicas e a fragilidade da atuação da ANCINE, para dinamizar a cadeia produtiva da indústria cinematográfica nas etapas de produção, infraestrutura, distribuição e exibição de filmes no Brasil?

Também, questões sobre o cenário atual da indústria de entretenimento audiovisual em que a Netflix se converte, de ofertadora de streaming, em produtora de conteúdo no Brasil. Essas e muitas outras questões vão orientar as reflexões, debates e atividades que fazem parte da I Mostra de Cinema da UESC.

A programação terá inicio às 9 horas de terça-feira (9), na sala 2203, do Pavilhão Adonias Filho, com a oficina ministrada por José Araripe Jr, Pequenos formatos, grandes janelas: Teoria e prática de pequenos filmes. A mesa de abertura está prevista para 16h30min, no Auditório Paulo Souto e a exibição do curta “O passeio de bicicleta” e do filme “A finada mãe da madame” ambos de Bernard Attal.

Em seguida a mesa redonda abordando a “Produção cinematográfica na Bahia: desafios e perspectivas”, com José Araripe Jr., Bernard Attal, Edson Bastos e Henrique Filho. A mediação é do professor Fernando de Oliveira (UESC).