Mortos identificados em Brumadinho chegam a 114; ainda há 205 desaparecidos

Subiu para 114 o número de mortos identificados na tragédia de Brumadinho, segundo balanço divulgado na noite deste domingo (3). O total de mortos permanece em 121.

Há ainda 205 pessoas desaparecidas e outras 394 que foram localizadas após o rompimento da barragem da Vale, ocorrida em 25 de janeiro.

Neste domingo, as buscas foram suspensas à tarde em razão das chuvas e serão retomadas na segunda (4) pela manhã.

Trabalham no local mais de 250 bombeiros e 22 cães farejadores. Desde sexta-feira (1º), quando o rompimento da barragem da Vale na Grande BH completou uma semana, a operação de resgate entrou numa nova fase e não tem data para acabar, segundo as autoridades. No sábado (2), além das buscas, começaram as vistorias em barragens do estado e foi finalizada a 1ª estrutura de contenção no rio Paraopeba.

Leia Mais no G1


Relatório mostra corte de 381 mil benefícios do Bolsa Família no primeiro mês do ano

Bolsa FamiliaO balanço do programa Bolsa Família do primeiro mês de 2019 aponta que o número de famílias beneficiadas sofreu redução.

De acordo com o Uol, 381 mil benefícios foram cortados em comparação com dezembro de 2018. O corte, segundo o Ministério da Cidadania, é fruto de procedimentos que geram cancelamentos por “inadequações” e desligamentos voluntários.

Segundo o programa, em dezembro de 2018 foram pagas 14,1 milhões de famílias, enquanto em janeiro de 2019 foram 13,7 milhões.

O pagamento dos beneficiários começou na sexta-feira, dia 18, e obedece um calendário que leva em conta o número final de cadastro da família. Janeiro é o primeiro mês do programa sob o governo de Jair Bolsonaro (PSL), que assumiu dia 1º.


Toyota convoca recall de 380 mil carros

Toyota Corolla — Foto: DivulgaçãoA Toyota iniciou nesta quinta-feira (24) um novo recall envolvendo os “airbags mortais” da Takata no Brasil. Desta vez participam do chamado 379.689 unidades dos modelos Hilux, SW4, Corolla, Fielder e Etios, com produção variando entre 2004 e 2017.

Os modelos estão equipados com os airbags defeituosos que compõem o maior recall da história. Eles podem expelir fragmentos metálicos contra os ocupantes por problemas no deflagrador, sistema responsável por inflar as bolsas.

De acordo com a marca, a exposição do veículo ao calor intenso, grandes variações de temperatura ou alta humidade do ar pode potencializar a degradação do deflagrador.

Os proprietários das unidades participantes devem entrar em contato com uma concessionária Toyota para agendarem a inspeção e o reparo dos veículos. Os atendimentos terão início na próxima segunda-feira (28). (G1)


Privatizar a CAIXA seria absolutamente dramático, diz ex-presidente do banco

“Privatizar a Caixa seria absolutamente dramático”. O alerta é da ex-presidente da Caixa Econômica Federal Maria Fernanda Ramos Coelho, primeira mulher a ocupar tal posto na estatal, entre 2006 e 2011. Em entrevista à TV 247, ela expõe que o banco não foi oficialmente privatizado, mas as políticas de desmonte adotadas pelos governos Temer e em breve Bolsonaro promovem o “esquartejamento” da instituição, que completou 184 anos de história no último dia 10 de janeiro.

Maria Fernanda, que é funcionária concursada da Caixa desde 1984, agora aposentada, explica que a política de juros mais baixa implementada no governo Lula foi fundamental para “estimular a economia” e “facilitar o acesso da população mais pobre ao crédito”.

No entanto, após a ascensão do governo Michel Temer, com o golpe de 2016 contra Dilma Rousseff, “as instituições públicas reduziram o crédito aos pobres e a taxa de juros e as tarifas bancárias aumentaram”, recorda.

A ex-presidente da Caixa foi testemunha da criação do programa Minha Casa Minha Vida, em 2009. Ela relata que o programa obteve um “crescimento exponencial durante os governos Lula e Dilma” e que a construção de moradias foi fundamental “na redução do déficit habitacional no País”.

“Recentemente, o crédito habitacional foi reduzido em 86% para a faixa de zero a três salários mínimos, o que é absolutamente dramático”, critica.

Desmonte da Caixa

No último sábado (12) a Caixa Econômica Federal completou 158 anos de história. Apesar de o governo dizer que não irá privatizar a estatal, Maria Fernanda denuncia que já existe em curso um processo de estrangulamento do banco. “Já retiraram todas as carteiras lucrativas da Caixa, cortaram investimentos na expansão do banco e também o acesso ao crédito pelos mais pobres. Todos esses fatores culminam no esquartejamento da instituição”, expõe.

Ela conclui dizendo que a privatização da Caixa seria “extremamente dramática” e que o Brasil vive um momento “grave”. “A Caixa é ligada à vida do brasileiro, seria uma completa destruição do patrimônio público do País”, enfatiza. Fonte : Brasil247


Decreto que altera regras para a posse de armas é inconstitucional, afirma PFDC

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão do Ministério Público Federal (MPF), encaminhou à Procuradoria-Geral da República (PGR), nesta sexta-feira (18), uma representação na qual questiona a constitucionalidade do Decreto nº 9.685, de 15 de janeiro de 2019, que altera as regras para a posse de armas no Brasil.

Para a PFDC, as novas regras “ampliam de modo ilegal e inconstitucional as hipóteses de registro, posse e comercialização de armas de fogo, além de comprometer a política de segurança pública – direito fundamental de todas as pessoas, especialmente no tocante ao direito à vida”.

A partir deste entendimento, a PFDC encaminhou à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, representação pela propositura de arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) contra o referido decreto. Na exposição de motivos, a procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, e o PFDC adjunto, Marlon Alberto Weichert, ressaltam que o decreto usurpa a função legislativa pelo Poder Executivo, cabendo à União a prerrogativa de legislar privativamente sobre o tema.

Além disso, questionam que o novo regulamento enfraquece as atribuições da Polícia Federal quanto ao exame dos fundamentos de necessidade de porte de arma na declaração, por parte do requerente, desfazendo, assim, o regime de permissividade restrita. A representação questiona também a quantidade de arma permitida por pessoa e a falta de comprovação do que as novas regras chamam de “efetiva necessidade”. Outro ponto destacado é a necessidade de um “cofre ou local seguro com tranca” em locais com crianças, adolescentes e pessoas com transtornos mentais. Para os procuradores, o simples fato de possuir tais recursos não significa que eles foram devidamente utilizados, ou seja, que foram observadas as cautelas necessárias para impedir o empoderamento indevido da arma de fogo por pessoas inaptas ao seu uso.

“A iniciativa de ampliar a posse de armas de fogo reforça práticas que jamais produziram bons resultados no Brasil ou em outros países. Sua adoção sem discussão pública, ademais, atropela o processo em andamento de implantação do Sistema Único de Segurança Pública – SUSP, fruto de longa discussão democrática e caminho para uma redefinição construtiva do modo de produzir segurança pública no País”, ressaltam os procuradores. (Agencia Brasil)


Apenas 5% dos ônibus de Fortaleza após atos de violência

Um total de 108 ônibus de transporte urbano em 77 linhas circula na cidade de Fortaleza e região metropolitana neste sábado (5). O número representa apenas 5% do total de 1.810 veículos urbanos e 350  metropolitanos que circulam em um dia normal, com 209 linhas.

Os dados são do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus). A redução do volume da frota, segundo o Sindiônibus, deve-se à onda de violênciano estado que ocorre desde a última quarta-feira (2), com registro de incêndios de veículos, prédios públicos e estabelecimentos comerciais, além de ataques a tiros contra forças policiais e depredação de estruturas públicas.

De acordo com o Sindiônibus, desde o início dos ataques até agora, 22 ônibus da frota local foram incendiados, alguns com perda total. Para garantir a segurança aos usuários de transporte público na Grande Fortaleza, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) do Ceará montou um esquema com a presença de três policiais militares em cada ônibus em circulação ao longo deste fim de semana.

Leia mais na Agência Brasil.


Mega-Sena acumula

mega-senaNinguém acertou os seis números da Mega-Sena sorteada na noite de hoje (18) e o próximo concurso, com o sorteio na quinta-feira (20), tem uma estimativa de um prêmio de R$ 50 milhões. Os números sorteados foram 19, 22, 29, 41, 44 e 59.

O sorteio do concurso 2.108, realizado em Conselheiro Pena (MG), teve 58 apostas ganhadoras na quina, cada uma levando um prêmio de R$ 41,58 mil, e 4.051 apostas ganhadoras na quadra, com prêmios de R$850.

As apostas para o próximo podem ser feitas em qualquer lotérica até as 19h ou pelo próprio site da Caixa.


Plano de demissão voluntária da CAIXA

caixa_sao_caetanoA Caixa Econômica Federal anunciou nesta sexta (23) a nova etapa do Programa de Desligamento de Empregado (PDE), com período de adesão de 26 a 30 de novembro. O programa está aberto aos empregados com mais de 15 anos na instituição, aposentados ou aptos a se aposentar até o fim deste ano, ou com adicional de incorporação de função de confiança.

O banco espera a adesão de até 1,6 mil funcionários, que deverá gerar economia de R$ 324 milhões por ano, caso a expectativa seja atingida. Desde 2016, 12,5 mil empregados se desligaram da Caixa, dos quais 8,6 mil por meio de programas de demissão voluntária.

O anúncio da nova etapa do plano ocorre um dia depois de a assessoria do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmar a indicação do economista Pedro Guimarães para a presidência da Caixa. Com passagem pelos bancos Bozano Simonsen, BTG Pactual e Brasil Plural, Guimarães é PhD em economia pela Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, com especialização em privatizações.

Nos nove primeiros meses do ano, a Caixa lucrou R$ 11,5 bilhões, ganho recorde e 83,7% maior que o registrado no mesmo período de 2017. De acordo com a instituição, a queda de 7,1% nos gastos de pessoal em relação aos mesmos meses do ano passado contribuiu para o aumento do lucro. Da Agência Brasil.


“Atacar Poder Judiciário é atacar a democracia”, diz presidente do STF

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, divulgou hoje (22) uma nota oficial em que afirma ser fundamental para a democracia garantir a independência da Corte.

“O Supremo Tribunal Federal é uma instituição centenária e essencial ao Estado Democrático de Direito. Não há democracia sem um Poder Judiciário independente e autônomo. O País conta com instituições sólidas e todas as autoridades devem respeitar a Constituição. Atacar o Poder Judiciário é atacar a democracia”, diz a nota.

O texto foi divulgado pelo STF após a repercussão de uma fala do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), em que o parlamentar diz que para fechar o Supremo “não manda nem um jipe, manda um soldado, um cabo”.

Toffoli, que estava na Itália em viagem a trabalho quando a fala de Bolsonaro repercutiu no Brasil, se manifestou após outros ministros também falarem sobre o caso. Ao jornal Folha de S. Paulo, o ministro Luís Roberto Barroso havia dito que o STF deveria se manifestar a “uma só voz”.

Também nesta segunda, o ministro Celso de Mello, o mais antigo do Supremo, classificou de golpista a fala do deputado. “Essa declaração, além de inconsequente e golpista, mostra bem o tipo (irresponsável) de parlamentar cuja atuação no Congresso Nacional, mantida essa inaceitável visão autoritária, só comprometerá a integridade da ordem democrática e o respeito indeclinável que se deve ter pela supremacia da Constituição da República!!!!”, disse o decano em nota também publicada pela Folha de S. Paulo. (Agencia Brasil)


Acidentes de trânsito com vítimas caem 18% até agosto, revela DPVAT

Paralisao_limpeza_carros_biosanear_10_09_15O ano de 2018 caminha para fechar com estatísticas favoráveis aos motoristas brasileiros. O número de acidentes de trânsito com vítimas caiu 18% nos oito primeiros meses do ano na comparação com o mesmo período de 2017. Os dados são da Seguradora Líder, que opera o Seguro DPVAT (Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre).

De janeiro a agosto, conforme os dados mais recentes disponíveis, o total de indenizações pagas por acidentes somaram 216.023, contra 263.841 registrados no mesmo período do ano passado. Segundo as estatísticas, não apenas caiu o total de acidentes como os casos, na média, tornaram-se menos graves neste ano.

O número de indenizações por morte caiu 6%, de 27.582 para 26.032. A maior queda ocorreu nos reembolsos por invalidez permanente, que recuou 25%, de 197.396 para 147.363. O total de compensações de despesas médicas na rede privada, indicador que reflete ferimentos e lesões temporárias, foi a única modalidade a registrar alta, tendo subido 8%, de 38.863 para 42.028.(Agencia Brasil)