Prefeitura de Barro Preto apoia a agricultura familiar e regularização fundiária

IMG-20170517-WA0047.jpgUma equipe do Consórcio de Desenvolvimento Sustentável – Litoral Sul, através dos técnicos Josivaldo Dias e Osanar Nascimento, está realizando uma série de visitas aos municípios associados para o processo de cadastro e georreferenciamento de 4 mil propriedades rurais.

O projeto é fruto de um convênio firmado entre o CDS-LS, Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), Coordenação de Desenvolvimento Agrário (CDA) e a Secretaria de Agricultura e meio ambiente de Barro Preto.

A Reunião também contou com a presença da Equipe do Banco do Nordeste, representados por Brendo Oliveira e Eliseu Lima do Agroamigo e Dermival Neto, Gerente do PRONAF.Além desses, estiveram presentes técnicos da BAHIATER realizando o mutirão de DAP (Declaração de Aptidão ao Pronaf).

O projeto tem a duração de 12 meses e visa estimular o desenvolvimento rural, através do acesso ao crédito e políticas públicas, propiciar melhores condições de trabalho e renda no campo, bem como, promover a cidadania, autonomia, a dignidade e a fixação do homem na zona rural.

Essas parcerias que trazem benefícios para comunidade é um pedido constante da prefeita Ana Paula, para que a cada dia possamos viabilizar e trazer mais parceiros para a cidade e para o homem do campo. A Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente,  através da secretária Adrizza Correia, vêm  acelerando esses processos para a melhoria das condições de produção e vida digna ao homem do campo.


Freade busca o fortalecimento da agricultura na região

eleicao_freade_2017Secretários de Agricultura e Meio Ambiente dos municípios associados a Amurc foram orientados nesta segunda-feira, 8, sobre a importância do Fórum Regional de Gestores Municipais de Agricultura e de Desenvolvimento Econômico – Freade, no Território Litoral Sul. No final do encontro foi eleita a nova diretoria, que tem a frente, o desafio de fortalecer as ações do setor na região.

Assuntos como licenciamento ambiental, frigoríficos e questões fitossanitárias estarão em pauta nas reuniões do Fórum, com o objetivo de dar maior celeridade a essas demandas na região. Para o secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Maraú, Valdemir Souza Lisboa Filho, que foi eleito presidente do Fórum, “é um momento de buscar a resolução dos principais gargalos junto ao Governo do Estado e fortalecer a agricultura no Território”.

Ao dar as boas vindas aos secretários e técnicos de agricultura dos municípios, o prefeito de Itacaré e presidente da Amurc, Antônio de Anísio, ressaltou que uma das preocupações da região tem sido a busca pela diversificação da produção. “E o Fórum, como um espaço democrático, será importante para compartilhar e debater essas e outras demandas em comuns para a região”.

O secretário de Planejamento e Desenvolvimento Econômico de Uruçuca, Águido Muniz relatou que o Fórum é necessário, pois “quando os encaminhamentos de demandas partem dos municípios juntos, chegam com mais rapidez aos interlocutores, e, consequentemente as respostas chegam mais rápidas”, declarou Águido.

Diretoria

Ainda foram eleitos para a diretoria, a secretária de Floresta Azul, Eleonora Kauark Gedeon, como vice-presidente, a secretária de Itajú do Colônia, Carmen Lúcia Souza, como tesoureira e o diretor de meio ambiente do município de Uruçuca, Luciano Garcia, como secretário do Fórum.

 


Célia Watanabe assume Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural

celia-hissae-watanabeA Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater), vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), está com nova gestão. A mestre em Gestão de Políticas Públicas, Célia Hissae Watanabe, passou a assumir a superintendência do órgão, na última terça-feira (18).

A nova gestora chega com o compromisso de consolidar as ações em curso na Bahiater, ampliar o número de famílias atendidas pelos serviços de assistência técnica e extensão rural (ATER) e fortalecer o trabalho dos Serviços Territoriais de Apoio à Agricultura Familiar (SETAFs) e Serviços Municipais de Apoio à Agricultura Familiar (SEMAFs). “A ATER deve chegar qualitativamente nas comunidades rurais, estimulando a produção agroecológica e de alimentos saudáveis, bem como a garantia de renda que proporcione qualidade de vida em nossa Bahia Rural”.

A Bahiater, de acordo com Watanabe, foi concebida para implementar, executar e fazer a gestão dos serviços de ATER, possibilitando que o público beneficiário potencialize suas capacidades organizativas e produtivas e amplie o acesso às políticas públicas para a agricultura familiar.

A superintendente da Bahiater foi diretora de Políticas para Mulheres Rurais, no extinto Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). É funcionária cedida do Centro de Extensão da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), onde atuou como assessora técnica da Agricultura a Familiar. Também foi assistente técnica do Programa de Organização para a Gestão Social do Projeto Dom Helder Câmara – MDA/Secretaria de Desenvolvimento Territorial.

Watanabe é mestre em Gestão de Políticas Públicas, pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), e especializada em Gestão de Políticas Públicas em Raça e Gênero, pelo Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher (NEIM), da Universidade Federal da Bahia (UFBA), e em Democracia Participativa, República e Movimentos Sociais, pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).


Audiência pública debateu Regularização Fundiária em Buerarema

audiencia_regualacao_fundiaria_buerarema_07_04_2017O município de Buerarema foi contemplado nesta sexta-feira, 7, com uma Audiência Pública que apresentou a sociedade civil organizada, o projeto de Regularização Fundiária de 4 mil propriedades rurais no Território Litoral Sul. A iniciativa já está sendo desenvolvida pelo Consórcio de Desenvolvimento Sustentável – Litoral Sul, em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) e a Coordenação de Desenvolvimento Agrário (CDA).

Na plateia, representantes do Poder Público Municipal, da Câmara de Vereadores e da sociedade civil organizada compareceram a audiência, proposta pelo vereador Roque Borges, com objetivo esclarecer detalhes do projeto. Segundo o representante do Legislativo, a audiência “foi muito proveitosa e esperamos colher bons frutos com os conhecimentos adquiridos”, avaliou.

O projeto tem a duração de 12 meses e visa estimular o desenvolvimento rural, através do acesso ao crédito e políticas públicas, propiciar melhores condições de trabalho e renda no campo. Para o prefeito de Buerarema, Vinícius Ibrann “a parceria com o CDS-LS vai garantir o título da terra aos agricultores e vai fortalecer a agricultura familiar do nosso município”, declarou o gestor.

audiencia_regualacao_fundiaria_2_buerarema_07_04_2017As audiências públicas fazem parte do projeto de Regularização Fundiária nos 13 municípios que integram o Consórcio. De acordo com o coordenador do projeto, Elias Jacob “iremos fazer esta audiência nos outros municípios do convênio para ampliar a mobilização e esclarecer toda a comunidade sobre o projeto”, explicou Elias.

Etapas

Ao longo de três meses, a equipe do Consórcio vem realizando uma série de visitas aos municípios associados para o cadastro das propriedades rurais. A próxima etapa prevista será o serviço de georreferenciamento desses imóveis, com o auxílio dos equipamentos de GPS Geodésico, L1 e L2.


Consórcio CDS-LS recebeu GPS para o georreferenciamento de imóveis rurais

gps_cds_ls_03_04_2017O Consórcio de Desenvolvimento Sustentável – Litoral Sul recebeu equipamentos nesta segunda-feira, 3, para a 2ª etapa do Projeto de Regularização Fundiária de 4 mil propriedades rurais.  A iniciativa é fruto de um convênio firmado entre o CDS-LS, a Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) e a Coordenação de Desenvolvimento Agrário (CDA), com o objetivo de estimular o desenvolvimento rural e propiciar melhores condições de trabalho e renda no campo.

Os aparelhos de GPS Geodésico, L1 e L2 garantem uma maior precisão para o serviço de georeferenciamento dos imóveis cadastrados no Território Litoral Sul. Para essa etapa, o coordenador do projeto, Elias Jacob explica que os técnicos do CDS-LS estarão sendo treinados para operar os equipamentos em campo.

Ao longo de três meses, a equipe do Consórcio vem realizando uma série de visitas aos municípios associados para o cadastro das propriedades rurais. Dentre os municípios que mais avançaram nos cadastros, somam Buerarema, Floresta Azul, Ibicaraí e Uruçuca.

De acordo com o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Econômico de Uruçuca, Águido Muniz, o município tem fortalecido o apoio ao projeto, com a realização de diversos mutirões, com cerca de 50 atendimentos para cadastro dos agricultores. Para o prefeito Moacyr Leite, “é um projeto muito importante de inclusão, pois a partir da titularização dos agricultores, eles vão ter acesso às políticas públicas e ao crédito para investir nas suas propriedades”, destacou o gestor.

CDS-LS

Ainda somam às ações do Consórcio, os serviços de licenciamento e fiscalização ambiental através do convênio de Gestão Ambiental Compartilhada-GAC, firmado em 2014 com a Secretaria Estadual de Meio Ambiente.


Famílias assentadas em Monte Santo recebem novas habitações rurais

Quinze casas foram entregues aos moradores do assentamento Esperança Maravilha, na manhã desta quarta-feira (15). As novas moradias foram construídas por meio do Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR), através do Banco do Brasil.

No estado, o Incra/BA já autorizou a construção de 1.827 habitações rurais e 819 reformas por esse programa. A meta nacional do Incra é de possibilitar que 25 mil novas moradias em 2017 sejam iniciadas pela PNHR que faz parte do Minha Casa Minha Vida.

Situada no município de Monte Santo, na região Sisaleira da Bahia, a área de reforma agrária Esperança Maravilha possui 22 famílias de agricultores assentados. As sete famílias restantes serão contempladas com projetos elaborados para habitação, por meio da entidade organizadora da primeira etapa, a Associação dos Moradores do Povoado de Baixa Grande.

São casas compostas por sala, banheiro, cozinha, dois quartos e uma varanda. O recurso foi de R$28,5 mil por moradia e as famílias irão pagar quatro prestações anuais de R$ 285,00. A primeira parcela já foi quitada em 2016.


Reunião definiu ações para a mitigação da crise hídrica na região

crise-hidricaSecretários e técnicos dos municípios da região Sul da Bahia foram orientados esta semana, por profissionais da Amurc para a elaboração do Decreto de Situação de Emergência por Estiagem Prolongada. O documento foi enviado a Secretaria de Infraestrutura Hídrica e Saneamento (SIHS) da Bahia, com o objetivo de atender as demandas de mitigação da crise hídrica, para ações de curto/emergente, médio e longo prazo.

Na reunião, mais de 20 municípios estiveram representados por secretários e técnicos, que apresentaram as demandas de cada localidade. A ideia, segundo o coordenador da Amurc, Luciano Veiga, é desenvolver ações estratégicas, que visem a mitigação aos prejuízos provocados pela estiagem prolongada, em especial no atendimento regular ao abastecimento de água nas cidades, distritos e zona rural dos municípios afetados.

As medidas visam a abertura de poços artesianos, cisternas, carro pipas em curto prazo, a construção de barramento, açudes e a ampliação das áreas de captação de água a médio e longo prazo. A iniciativa da Amurc parte de um debate, construído em conjunto com o titular da SIHS, Cássio Peixoto, que estará envidando esforços para a ampliação no abastecimento.

No mês de março, a Amurc estará promovendo um encontro, no qual as Secretarias de Governo e representantes dos Ministérios da Integração e das Cidades apresentarão as ações de mitigação aos danos provocados pela estiagem.


Empresários e técnicos da Ceplac debateram sobre as perspectivas do órgão na região

reuniao-da-aci-com-tecnicos-da-ceplacA Associação Comercial e Empresarial de Itabuna recebeu, nesta segunda-feira, 20, uma comissão de técnicos da Ceplac que apresentaram uma proposta de reestruturação do órgão. O modelo valoriza a atuação pensando em Desenvolvimento Territorial; Pesquisa Agropecuária; Extensão Rural e Qualificação Profissional.

Um dos extensionistas da comissão, Antônio Fernando Ribeiro destacou que a iniciativa visa dar uma contribuição ao debate para uma Ceplac moderna, ágil e eficiente, que atenda o seu público-alvo. “A proposta é desenvolver a extensão rural nas regiões produtoras de cacau, voltada para o desenvolvimento da produtividade. Uma extensão moderna, antenada com as vocações do lugar”.

A exposição aconteceu no mesmo dia em que a instituição completou 60 anos de fundação. Entre os empresários, produtores rurais e a imprensa, o sentimento foi de fortalecer a instituição para atuar de modo estratégico e participativo com a sociedade. Para o presidente da ACI Ronaldo Abude, o encontro “foi uma oportunidade para classe empresarial conhecer o que as instituições estão fazendo e buscar o diálogo com elas”.

A proposta para a reestruturação da Ceplac ainda será avaliada pelo público-alvo do órgão (produtores, associações). Sendo aprovada, será encaminhada ao Ministério da Agricultura.


Governo apresenta parque para desenvolvimento do cacau e chocolate no Sul da Bahia

ceplac-60-anosA apresentação do Parque Científico e Tecnológico do Sul da Bahia, que vai funcionar dentro da Universidade Estadual Santa Cruz (Uesc), na rodovia Ilhéus-Itabuna, marcou as comemorações dos 60 anos da implantação da Comissão Executiva da Lavoura Cacaueira (Ceplac).

O evento foi realizado da manhã desta segunda-feira (20), na sede regional da instituição, e contou com as presenças dos secretários estaduais de Agricultura, Vitor Bonfim; Ciência e Tecnologia, José Vivaldo Mendonça; Meio Ambiente, Geraldo Reis; e Desenvolvimento Rural, Jerônimo Rodrigues.

Articulado pela secretaria estadual de Ciência e Tecnologia e a Uesc, o Parque vai funcionar dentro da Uesc com foco na criação e inovação da cadeia produtiva do cacau e chocolate no Sul da Bahia. Foram três anos de estudos para o desenvolvimento do projeto do Parque que irá auxiliar, ainda, na qualificação dos ensinos Técnico e Superior da região.

O Parque tem previsão de investimentos de R$ 6,5 milhões até 2019 e possui ainda como metas o desenvolvimento de sistemas de gestão ambiental, produtividade e competitividade do cacau e do chocolate, fomento à produção agroindustrial, agroecologia e agricultura familiar e manejo e conservação dos recursos florestais.

ceplac 13A primeira estrutura do Parque Científico e Tecnológico do Sul da Bahia será inaugurada no mês de março. Trata-se do Centro de Inovação do Cacau, instalado em uma área dentro do Instituto Nacional de Pesquisa e Análises Físico-quimicas da Uesc.

De acordo com José Vivaldo Mendonça, “a Ceplac é uma referência mundial em pesquisa de cacau. Com o apoio do Governo do Estado, atuando em parceria com a Ceplac, a Universidade Estadual de Santa Cruz, e a Universidade Federal do Sul da Bahia, vamos ampliar o processo de geração de tecnologia voltada para o desenvolvimento regional, que passa pelo fortalecimento da cadeia produtiva do cacau”.

O superintendente regional da Ceplac, Antonio Zugaib, destacou que “a parceria com o Governo do Estado é importante porque envolve não apenas recursos, mas difusão do conhecimento entre as instituições, tendo o Parque Científico e Tecnológico como agente catalizador para o desenvolvimento regional”.

ceplac 12Para o secretário Jerônimo Rodrigues, “o grande desafio é adotar um modelo que garanta a retomada econômica do cacau e, para isso, o Governo do Estado tem estabelecido parcerias que fortaleçam a cadeia produtiva do chocolate e programas de diversificação como agroindústria e fruticultura”.

O secretário Geraldo Reis afirmou que haverá investimentos em técnicas de produção que permitam a conservação ambiental, já que o cacau, por suas características de cultivo, contribui para a preservação da Mata Atlântica.

Ampliação da produção

Já o secretário Vitor Bonfim disse que o Governo está trabalhando em conjunto com a Ceplac para ampliar a produção de cacau e reduzir a dependência da importação de amêndoas da África e da Ásia, que oferecem riscos de introdução de pragas.

Para o presidente da Associação dos Municípios da Região Cacaueira e do Consórcio Intermunicipal Litoral Sul, Antônio de Anízio, “a Ceplac e o Governo do Estado são fundamentais nesse processo em que se busca agregar valor ao cacau, através da produção de amêndoas de qualidade e da fabricação de chocolate gourmet, ampliando a geração de emprego e renda”.

A comemoração dos 60 anos da Ceplac foi encerrada com a entrega de placas homenagens a funcionários e de uma palestra sobre a história da instituição, criada por Juscelino Kubitschek e que nas décadas de 1970 e 1980 elevou a produção de cacau na Bahia para 400 mil toneladas/ano. Atualmente, em processo de retomada, a produção é de cerca de 130 mil toneladas/ano e, além das amêndoas, estão sendo feitos investimentos na produção de chocolate, com a criação de cerca de 20 marcas, que já atingem os mercados nacional e